Última hora

Última hora

Tim Peake: Um britânico na ISS

O britânico Tim Peake, o norte-americano Tim Kopra e o russo Iuri Malentchenko passam as últimas horas na Terra. Esta terça-feira partem do

Em leitura:

Tim Peake: Um britânico na ISS

Tamanho do texto Aa Aa

O britânico Tim Peake, o norte-americano Tim Kopra e o russo Iuri Malentchenko passam as últimas horas na Terra. Esta terça-feira partem do Cosmódromo de Baikonur para uma missão de quase seis meses na Estação Espacial Internacional (ISS).

Point of view

O que mais me entusiasma é, sem dúvida, a vista.

Tim Peake é o primeiro britânico a visitar a ISS, seguindo os passos de Helen Sharman que, em 1991, passou oito dias na estação espacial Mir.

A família do militar, de 43 anos, diz-se mais tranquila do que quando ele pilotava um M27.

O astronauta tem consciência dos perigos: “O treino preparou-nos para tudo. Haverá, sem dúvida, momentos de apreensão. Penso que o lançamento e o regresso são duas fases de risco. Se tiver a oportunidade de fazer uma saída espacial também será um momento de grande risco”.

A nave russa Soyuz vai demorar seis horas até chegar à ISS, onde se encontram um norte-americano e dois russos.

Durante 17 anos de carreira militar, Tim Peake realizou mais de três mil horas de voos em dezenas de aviões e helicópteros. Mas a preparação para esta missão não foi fácil.

Nos 173 dias no espaço, Peake irá realizar dezenas de experiências e impôs-se uma outra meta: correr a maratona de Londres na ISS.

Sobre a missão, Tim Peake explica: “Vou fazer muitas experiências científicas. Há 25 experiências que vão ser feitas só no meu corpo. Principalmente, vamos estudar questões como a perda de massa óssea, a perda de densidade muscular, a visão dos astronautas, as mudanças do sistema imunitário. O género de efeitos provocados no corpo humano por um ambiente de microgravidade. Vamos analisar uma série de doenças para saber se o sistema de microgravidade pode ajudar a controlar essas doenças com medicamentos e vacinas. Portanto, haverá ótimas experiências médicas e os resultados podem ser brilhantes para as pessoas na Terra”.

Para lá das inúmeras tarefas, tal como todos os astronautas que o precederam, Tim Peake está sobretudo ansioso por ver o panorama a partir da ISS: “O que mais me entusiasma é, sem dúvida, a vista”.