Última hora

Última hora

Alemanha: Protesto contra violência e agressões sexuais em Colónia

A onda de agressões sexuais, roubo e agressões, alegadamente cometidos por pessoas de origem árabe na passagem do ano em Colónia, na Alemanha, gerou

Em leitura:

Alemanha: Protesto contra violência e agressões sexuais em Colónia

Tamanho do texto Aa Aa

A onda de agressões sexuais, roubo e agressões, alegadamente cometidos por pessoas de origem árabe na passagem do ano em Colónia, na Alemanha, gerou uma contestação popular esta noite na zona onde os crimes foram cometidos.

Cerca de 150 pessoas, a maioria mulheres, protestaram contra a violência.

As autoridades registaram pelo menos 90 queixas de abusos. Há pelo menos um caso de violação.

“Fomos apalpadas, eu fui tocada entre as pernas. As minhas amigas foram também apalpadas. O meu namorado puxou-me. Eles eram um grupo grande, talvez uns trinta ou quarenta”, diz uma vítima, sem mostrar a cara.

Para lá de agressões sexuais, houve também violência com material pirotécnico.

“Entretanto ouvi um som, um zumbido no meu capucho. Tentei então tirar aquilo dali e caiu no meu casaco, queimou tudo. As cicatrizes vão ficar para sempre, felizmente, aquilo não explodiu”, diz uma outra rapariga.

A chanceler alemã, Angela Merkel, já anunciou estar enojada com os acontecimentos.
A presidente da câmara de Colónia, Henriette Reker, defende os migrantes alojados na cidade.

“Não existem indicações de que as pessoas envolvidas pertenciam aos migrantes acomodados como refugiados aqui na cidade”, declarou.

As investigações prosseguem para apurar com rigor os acontecimentos que estão a chocar a Alemanha.