Última hora

Em leitura:

Liga Portuguesa, J16: Sporting "esmaga" Setúbal, Benfica "caça" FC Porto


mundo

Liga Portuguesa, J16: Sporting "esmaga" Setúbal, Benfica "caça" FC Porto

Os “dragões” consentiram diante do Rio Ave o segundo empate caseiro da temporada e já levam duas jornadas sem vencer. O Benfica goleou o Marítimo e igualou os vicecampeões na tabela. Os “leões” marcam meia dúzia no Bonfim e reforçam a liderança.

O Benfica foi o primeiro dos “grandes” a entrar em campo. Os bicampeões receberam o Marítimo sem o lesionado Gaitán e repetiram os números da goleada conseguida à 4.a jorna, então diante de um apático Belenenses. Agora, com um adversário apenas mais infeliz, as “águias” voltaram a presentear os adeptos com 6 golos sem resposta.


Os insulares começaram logo mal a partida quando o guarda-redes francês Romain Salin teve de ser substituído logo aos 7 minutos por José Sá devido a lesão. A goleada começou a desenhar-se à meia-hora.

O Marítimo fechou-se bem, mas uma mà intervenção de Raul num cruzamentos de Carcela deixou a bola à mercê de Pizzi abrir o marcador. Logo de seguida, o médio português bisou, aproveitando nova bola perdida na área dos visitantes após intervenção incompleta de José Sá.


Ainda havia quem celebrava o 2-0 quando o mexicano Raul Jiménez marcou o terceiro. Mais uma vez numa recarga a defesa incompleta do guarda-redes do Marítimo. Os insulares deitaram tudo a perder, com o Benfica a aproveitar da melhor forma as sobras.


Melhores marcadores


15 golos: Jonas (Brasil, Benfica);
12 golos: Slimani (Argélia, Sporting);
9 golos: e Suk (C. Sul, V. Setúbal) e Bruno Moreira (P. Ferreira);
8 golos: Bonatini (Brasil, Estoril);

Na segunda parte, dois penáltis de rajada permitiram a Jonas bisar, destacar-se no topo da lista dos melhores marcadores da Liga e colocar o Benfica a vencer por 5-0. Rui Vitória fez descansar o “menino” Renato Sanches, o “Gullit made in seixal”, e também Jonas.

Acabado de entrar, Talisca assinou aos 69 minutos o 6-0 com um remate colocado de fora da área. Eram meia dúzia, mas podiam ter sido mais.


O jogo deu, então para tudo. A bola de jogo furou-se quando Fernando Ferreira tentou rematar e Fejsa se intrometeu. O árbitro teve de receber assistência e, no final, apenas 2 minutos de desconto.


Ficha de jogo

Estádio da Luz, Lisboa (31.590 espetadores).
Árbitro: Fábio Veríssimo (Leiria).

Benfica: Júlio César; André Almeida, Lisandro, Jardel e Eliseu; Fejsa; Pizzi, Renato Sanches (Gonçalo Guedes, 69’) e Carcela; Jimenez (A, Mitroglou, 76’) e Jonas (Talisca, 68’).
Treinador: Rui Vitória.

Marítimo: Salin (José Sá, 07’); João Diogo (A, Romário, 76’), Raul Silva (A), Deyvison e Briguel; Fernando Ferreira (A), Tiago Rodrigues (A) e Éber Bessa (A); Marega (Xavier, 68’), Dyego Sousa (A) e Edgar Costa.
Treinador: Ivo Vieira.

Golos: Pizzi (29’ e 34’), Jiménez (35’), Jonas (51’ gp e 54’ gp) e Talisca (69’).


FC Porto volta a perder pontos em casa


O FC Porto entrou em campo ainda o Benfica jogava. Depois dos assobios e dos pedidos de demissão após a derrota com o Sporting, Julen Lopetegui estava sob brasas e já devia saber que o rival da Luz estava a ganhar com tranquilidade. Os “dragões” entraram na partida determinados a pegar no jogo, com André André no lugar do Rúben Neves face ao clássico de sábado.

Tal como em Alvalade, os extremos Brahimi e Corona começaram cedo a mostrar serviço, mas faltava presença ao meio. Outra vez. Ainda assim, foi daí que chegou ao golo. Remate bonito de Herrera à entrada da área, a beneficiar de um desvio em Kizito para trair Cássio e abrir o marcador.

O Rio Ave respondeu pouco depois de fora da área, por João Novais e Krovinovic, com Casillas a defender ambos os remates. Foi um aviso.

Aos 34 minutos, Novais arriscou de novo de longe, a bola desviou em Danilo e traiu Casillas. Empate restabelecido na mesma moeda.

Um ponto conquistado com garra, qualidade e solidariedade!

Publicado por Rio Ave Futebol Clube em Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2016

O FC Porto, ainda assim, estava melhor. Aos 41 minutos, aboubakar cruzou da direira, André André cabeceou ao poste, insistiu com a anca, mas Cássio salvou os vila-condenses em cima da linha de golo.

A segunda parte começou com o Rio Ave perto do golo: Krovinovic atirou ao lado. O nervoso apoderou-se dos “dragões”, aos passes errados seguiram-se assobios vindos da bancada. Lopetegui troca Danilo por Rúben Neves, mas o Rio Ave não se ressentiu.

André Silva substituiu Corona, a bola começou a rondar mais a zona de Cássio, mas o Rio Ave resistiu. Lopetegui desesperava.


O jogo terminou empatado e com lenços brancos de novo a esvoaçar nas bancadas do Dragão acompanhados de assobios. Com este segundo empate em casa (0-0, com o Braga, à 8.a jornada), o FC Porto foi alcançado pelo Benfica no segundo posto, mas fica em desvantagem na relação de golos marcados e sofridos. O Rio Ave apanhou o Setúbal, mas deixou-se passar pelo Arouca e é 7.°.



Ficha de jogo

Estádio do Dragão, Porto (19.116 espetadores).
Árbitro: Rui Costa (Porto).

FC Porto: Casillas; Maxi Pereira, Martins Indi, Marcano e Layún (Varela, 86’); Danilo (A, Rúben Neves, 64’) e Herrera; Corona (André Silva, 71’), André André e Brahimi; Aboubakar.
Treinador: Julen Lopetegui.

Rio Ave: Cássio; Pedrinho, Marcelo, Roderick e Edimar; Wakaso (A) e João Novais (Vilas Boas, 88’); Ukra /Lionn, 81’), Kroinovic (José Paulo, 62’) e Kizito; Yazalde.
Treinador: Pedro Martins.

Golos: Herrera (22’); João Novais (33’).


Sporting também chega à meia dúzia


O Sporting está empolgado, respira confiança e já pôde contar com os mais recentes reforços na visita ao Vitória de Setúbal, o quarto melhor ataque do campeonato. O holandês Marvin Zeegelaar foi convocado, mas acabou por ficar na bancada. O brasileiro Bruno César entrou diretamente no “11” e… que estreia!


Jorge Jesus inovou: deixou Slimani sozinho no ataque, montou um tridente ofensivo na retaguarda do argelino, com Ruiz ao meio, César na esquerda e João Mário na direita. Adrien e William tinham a responsabilidade de controlar o meio campo e evitar os contra-golpes dos sadinos.

Os “leões” entraram forte na partida, mas o Setúbal mostrou vontade de discutir o jogo. Até aos 18 minutos. Jefferson lançou Bruno César, o “chuta-chuta”, como é conhecido Bruno César, cruzou rasteiro, Venânco falhou o corte e Slimani abriu o marcador. Fácil!


A fechar a primeira parte, contra-ataque rápido do Sporting. João Mário combina com Slimani, Fábio Pachecho corta mal, a bola sobra para Bruno César, que, de bico, faz o 0-2. Imparável!

Quim Machado mexeu ao intervalo, apostando em Vasco Costa e Willian, mas o Sporting não deu hipóteses a qualquer reação. Aos 52 minutos, de novo pela esquerda, João Mário lanou Ruiz, o costa-riquenho cruzou largo e Slimani bisou.


O Setúbal ficou por terra e o 0-4 é reflexo disso mesmo. João Mário trabalhou bem pelo meio, André Horta caiu sozinho e o médio “leonino” aproveitou o espaço para rematar de longe, sem hipóteses para Raeder.

Aos 61 minutos coube a Bruno César bisar. O “chuta-chuta” teve sorte num ressalto e à entrada da área rematou enrolado, mas colocadíssimo: 0-5.

Jesus aproveitou para rodar a equipa já a pensar na receção de domingo ao Braga. Tirou o estreante Bruno César e Bryan Ruiz, fez entrar primeiro Gelson, e depois Matheus Pereira, mas a equipa, estranhamente, perdeu dinâmica e passou a controlar mais o jogo, com os sadinos a esboçarem uma última reação pela honra à camisola.


Aquilani trocou com Adrien para o último quarto de hora. O italiano ainda foi a tempo de fechar o marcador, nos 0-6, e igualar a maior goleada da temporada, conseguida por duas vezes pelo Benfica. Os “leões” reforçam a liderança e estão agora a 4 pontos da concorrência. O Setúbal caiu para 8.°.



Ficha de jogo

Estádio do Bonfim, Setúbal (6.560 espetadores)
Árbitro: Jorge Ferreira (Braga).

Vitória de Setúbal: Lukas Raeder; Toni Gorupac (Willian, 46’), Fábio Pacheco, Frederico Venâncio e Nuno Pinto; Costinha, Ricardo Dani, Paulo Tavares (Vasco Costa, 46’) e André Horta; Hyun-Jun Suk e André Claro (Arnold, 63’).
Treinador: Quim Machado.

Sporting: Rui Patrício; Jonao Pereira, Paulo Oliveira, Naldo e Jefferson; Adrien (Aquilani, 77’) e William; Jonao Mário, Bryan Ruiz (Matheus Pereira, 76’) e Bruno César (Gelson, 70’); Slimani.
Treinador: Jorge Jesus.

Golos: Slimani (18’ e 52’), Bruno César (41’ e 60’), João Mário (58’) e Aquilani (85’).


Guimarães e Moreirense do espetáculo


O União da Madeira abriu esta rara jornada a meio da semana da Liga portuguesa a vencer em casa o Boavista. Um único golo do reforço Toni Silva, português oriundo da Guiné Bissau com passagem pela formação do Benfica, valeu o regresso dos insulares aos triunfos.


O Guimarães reagiu da melhor forma à derrota em casa com as “águias”, deslocou-se ao reduto do vizinho Moreirense e venceu 4-3, com um bis do brasileiro Henrique.

O Paços de Ferreira deslocou-se a Tondela e também foi feliz fora de portas. Os portugueses Bruno Moreira e Diogo Jota ditaram o triunfo dos “castores” (0-2) e cimentaram os anfitriões na condição de “lanterna vermelha.”

O Belenenses recebeu o Nacional, esteve a perder por duas vezes e voltou a empatar a dois golos, tal como na jornada anterior em Paços de Ferreira. Os “azuis” e os “alvi-negros” mantém-se no meio da tabela, separados por um ponto.


O Braga, por fim, beneficiou de um bis do egípcio Ahmed Hassan, a que se somou um golo do sérvio Nikola Stojiljkovic, para levar de vencida a Académica e reforçar o quarto lugar, a 8 pontos do pódio. Os “estudantes” continuam a pisar a linha de água.

Jornada 16:

Un. Madeira — Boavista, 1-0
Arouca — Estoril, 1-0
Tondela — P. Ferreira, 0-2
Moreirense — V. Guimarães, 3-4
Belenenses — Nacional, 2-2
Sp. Braga — Académica, 3-0
Benfica – Marítimo, 6-0
FC Porto — Rio Ave, 1-1
V. Setúbal – Sporting, 0-6

Jornada 17:

V. Guimarães — Arouca (09/jan, 18h30)
Académica — Tondela (10/jan, 16h00)
Marítimo — Moreirense (16h00)
Rio Ave — Un. Madeira (10h00)
Estoril — Belenenses (16h00)
Sporting — Sp. Braga (16h00)
Boavista — FC Porto (18h15)
Nacional — Benfica (20h30)
P. Ferreira — V. Setúbal (11/jan, 20h00)


Artigo seguinte

mundo

O que mudou em França após o ataque ao Charlie Hebdo?