This content is not available in your region

Protestos violentos regressam às ruas do Rio de Janeiro e São Paulo

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com LUSA, Reuters
Protestos violentos regressam às ruas do Rio de Janeiro e São Paulo

<p>Regressam os protestos, contra o aumento dos preços dos transportes públicos, em São Paulo e Rio de Janeiro. </p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p lang="pt" dir="ltr">este senhor recolheu 6 bombas de gás lacrimogêneo. “disseram que cada uma custa 800 conto” <a href="https://t.co/CgCfEYa9Qx">pic.twitter.com/CgCfEYa9Qx</a></p>— Ricardo Senra (@ricksenra) <a href="https://twitter.com/ricksenra/status/685589197579792385">8 janeiro 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>As manifestações, organizada pelo Movimento Passe Livre (<span class="caps">MPL</span>), começaram de forma pacífica mas terminaram em violentos confrontos com a polícia. </p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p lang="pt" dir="ltr">Ato contra o aumento da tarifa em BH passou pela Praça Raul Soares e até o momento a manifestação segue pacífica. <a href="https://t.co/Qo5EPPX5Id">pic.twitter.com/Qo5EPPX5Id</a></p>— Midia <span class="caps">NINJA</span> (@MidiaNINJA) <a href="https://twitter.com/MidiaNINJA/status/685593534263595008">8 janeiro 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <em>RIo de Janeiro</em> <p>Ainda que em alguns estados brasileiros os preços tenham já aumentado, centenas de pessoas quiseram mostrar o seu descontentamento nestas duas cidades. Em São Paulo, por exemplo, quase 10 milhões de pessoas utilizam os autocarros. </p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p lang="pt" dir="ltr">Zona Oeste tem protestos contra aumento da tarifa na manhã desta sexta (8)<br /> -> <a href="https://t.co/wOWbrkfZQc">https://t.co/wOWbrkfZQc</a> <a href="https://t.co/zqBivNwSH2">pic.twitter.com/zqBivNwSH2</a></p>— <span class="caps">VEJA</span> São Paulo (@VejaSP) <a href="https://twitter.com/VejaSP/status/685435466632531969">8 janeiro 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <em>São Paulo</em> <p>No Rio as preocupações são também grandes, como explica um estudante: </p> <p>“Estamos aqui lutando contra o aumento da passagem (bilhete) que prejudica uma boa parcela da população que sofre, no bolso, este aumento de 40 centavos”, adianta Paulo Soares. </p> <p>“Isto é um protesto popular. Quanto mais gente vier melhor. Queremos que a pressão das ruas, a pressão do povo, faça esse aumento cair como caiu no passado”, explica Marcelo Schmidt, um líder sindical. </p> <p>Um aumento de cerca de 9 por cento nos preços faz a diferença num país onde mais de 8 milhões de pessoas procuram emprego. </p> <p>Em 2013 protestos idênticos levaram à suspensão dos aumentos. </p> <p>Os manifestantes aproveitaram também para criticar, em cartazes e com palavras de ordem, os gastos públicos com os Jogos Olímpicos e a violência policial.</p>