Última hora

Última hora

Polícia de Colónia acusada de tentar silenciar origem dos agressores

Perante a alegada tentativa de calar a origem dos agressores, o governo da Renânia do Norte Vestfália está sob pressão.

Em leitura:

Polícia de Colónia acusada de tentar silenciar origem dos agressores

Tamanho do texto Aa Aa

Mais de uma semana depois da vaga de agressões sexuais de que foram vítimas centenas de mulheres em cidades como Colónia, na noite de Ano Novo, começam a emergir novos detalhes, nomeadamente sobre a atuação da polícia. Muitos dos participantes eram, alegadamente, refugiados ou migrantes estrangeiros.

Point of view

Se houve instruções por parte do Ministério do Interior (estadual) à polícia para não mencionar a origem dos perpetrantes, isso significa algo muito perigoso em termos sociopolíticos.

Ao mesmo tempo, o ministro alemão do Interior, Thomas de Mazière, condenou as recentes agressões contra estrangeiros, mas também a atitude sexista de alguns migrantes: “Quando pessoas que procuram asilo são insultadas como gado, quando os centros de refugiados são incendiados, os políticos deste país rotulados de traidores e a imprensa chamada de mentirosa, ou quando pessoas que procuram asilo chamam prostitutas às mulheres que atravessam a rua, tudo isso é uma situação inaceitável”, disse o governante.

Um dos aspetos que está a gerar mais polémica é a alegada tentativa da polícia de ocultar a origem dos alegados agressores. A oposição ao governo SPD/Verdes da Renânia do Norte-Vestefália não poupa as críticas: “Se houve instruções por parte do Ministério do Interior (estadual) à polícia para não mencionar a origem dos perpetradores, isso significa algo muito perigoso em termos sociopolíticos”, disse o presidente da CDU no “land”, Armin Laschet.

Para já, a polícia identificou 19 suspeitos, a maioria de nacionalidade marroquina. A onda de agressões levou a três manifestações simultâneas em Colónia. A mais importante foi aquela em que centenas de mulheres pediram, simplesmente, segurança e respeito. Paralelamente, houve manifestações da extrema-direita anti-imigração e de grupos antifascistas.