This content is not available in your region

Processo real espanhol: Infanta Cristina já está no banco dos réus

Access to the comments Comentários
De  Dulce Dias  com AFP, TVE, EFE
Processo real espanhol: Infanta Cristina já está no banco dos réus

<p>Cristina de Bourbon, a irmã do Rei de Espanha, e o marido, Iñaki Urdangarin, sentaram-se, esta segunda-feira, pela primeira vez no banco dos réus.</p> <p>No tribunal de Palma, em Maiorca, a princesa e o marido, antigo andebolista, respondem – juntamente com mais 16 acusados – a acusações de desvio de fundos, fraude fiscal, tráfico de influências e branqueamento de capitais.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-partner="tweetdeck"><p lang="es" dir="ltr">[AHORA] <a href="https://twitter.com/hashtag/Visi%C3%B3n7?src=hash">#Visión7</a> – España: la Infanta Cristina y su marido van a juicio > <a href="https://t.co/GYiXqQWnBq">https://t.co/GYiXqQWnBq</a> <a href="https://t.co/N3ycxQ5be4">pic.twitter.com/N3ycxQ5be4</a></p>— TV Pública – Canal 7 (@TV_Publica) <a href="https://twitter.com/TV_Publica/status/686509311850315780">January 11, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Os advogados pedem a absolvição da Infanta, ao abrigo da chamada “doutrina Botin”. Uma jurisprudência que permite anular o processo sempre que as acusações não sejam corroboradas pelo ministério público. É o caso atualmente, já que as acusações contra Cristina foram interpostas por uma associação de luta contra a corrupção.</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="fr"><p lang="es" dir="ltr">La defensa de la infanta pide retirar la acusación por “vulnerar derechos fundamentales“ ▶ <a href="https://t.co/S5WR76rkWh">https://t.co/S5WR76rkWh</a> <a href="https://t.co/7YRgE3cPDF">pic.twitter.com/7YRgE3cPDF</a></p>— laSexta Noticias (@sextaNoticias) <a href="https://twitter.com/sextaNoticias/status/686506840365109248">11 Janvier 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Os arguidos são acusados de terem desviado mais de 6,1 milhões de euros de fundos públicos através do Instituto Noos, uma fundação presidida por Urdangarín. A infanta Cristina que se afirma inocente, presidia com o marido outra empresa, Aizoon, utilizada para desviar fundos para o património pessoal do casal.</p> <p>A instrução durou mais de quatro anos durante os quais Cristina e o marido se mantiveram unidos, apesar de as portas reais se fecharem pouco a pouco. Desde 2011, foi afastada da família real, ano passado perdeu o título de duquesa de Palma e nem sequer foi convidada para a coroação do irmão, o atual rei Felipe VI.</p>