Turquia: Mortos do ataque em Istambul são todos cidadãos estrangeiros

Access to the comments Comentários
De  Patricia Cardoso  com Lusa, AFP, EFE, Reuters, Ansa
Turquia: Mortos do ataque em Istambul são todos cidadãos estrangeiros

<p>A Turquia atribui ao autoproclamado Estado Islâmico a autoria do atentado desta terça-feira no centro histórico da cidade de Istambul. </p> <p>A explosão fez pelo menos 11 mortos: todos estrangeiros.</p> <p>O ministério peruano dos Negócios Estrangeiros confirma a existência de um cidadão entre os mortos e um outro entre os feridos. </p> <p>Berlim, com base em informações de Ancara, fala de pelo menos oito turistas alemães mortos. O primeiro-ministro turco telefonou a Angela Merkel para apresentar as condolências. </p> <p>Há também informações de dois sul-coreanos falecidos. </p> <p>Contam-se ainda 14 feridos. Uma agência turca de notícias fala de nove alemães, um norueguês e um peruano.</p> <p>França, Alemanha e Dinamarca aconselham os cidadãos a evitarem os locais turísticos ou muito frequentados. </p> <p>O alvo do ataque foi o setor turístico turco. </p> <p>A explosão, ouvida a quilómetros de distância, ocorreu às dez horas locais, menos duas horas em Lisboa, na praça Sultanahmet, perto da Mesquita Azul e da Basílica de Santa Sofia, os monumentos mais visitados da cidade e da Turquia. </p> <p>O alegado suicida visaria um grupo maior de turistas, mas terá acionado o engenho explosivo antes devido à presença policial. As forças da ordem chegaram a temer uma segunda explosão. </p> <p>O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, não tardou a falar de um “ataque suicida de origem síria”. O primeiro-ministro foi mais direto. Ahmet Davutoglu disse tratar-se de um membro do autoproclamado Estado Islâmico, que entrou recentemente na Turquia. </p> <p>Segundo a imprensa turca, trata-se de um sírio de 28 anos, nascido na Arábia Saudita. </p> <p>A Turquia vive em alerta há meses. </p> <p>O país é visado pelos islamitas radicais por integrar a coligação internacional que combate o Grupo Estado Islâmico na Síria e no Iraque. E, no verão, foi quebrada a trégua que vigorava entre o governo turco e os rebeldes curdos do <span class="caps">PKK</span>.</p>