This content is not available in your region

Putin convida judeus europeus a refugiarem-se na Rússia

Access to the comments Comentários
De  João Peseiro Monteiro  com AFP, Le Figaro, Jerusalem Post
Putin convida judeus europeus a refugiarem-se na Rússia

<p>Vladimir Putin convidou os judeus que buscam uma vida em segurança a emigrar para a Rússia. A afirmação surgiu em jeito de resposta ao presidente do Congresso Judaico Europeu, Moshe Kantor, que se deslocou a Moscovo com representantes de sete países da União Europeia. A delegação ilustrou o sentimento de insegurança vivido pela comunidade judaica no Velho Continente.</p> <p>“A situação dos judeus na Europa é a pior desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Os judeus têm novamente medo e o êxodo do judeus da Europa é uma realidade. Há mais judeus a fugir da França, que era um país seguro até há pouco tempo, do que da Ucrânia, que vive uma guerra civil.” Ao ouvir estas palavras de Moshe Kantor, o presidente russo, Vladimir Putin, exclamou: “Eles que venham para cá. Emigraram daqui no tempo da União Soviética mas agora podem regressar!”</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p lang="en" dir="ltr">Putin: Jews fleeing Western Europe should move to Russia <a href="https://t.co/Qb36NeaS3h">https://t.co/Qb36NeaS3h</a></p>— The Times of Israel (@TimesofIsrael) <a href="https://twitter.com/TimesofIsrael/status/689556711577784320">19 janeiro 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Israel registou cerca de 28 mil novos imigrantes no ano passado. Mas se os franceses eram cerca de 25 por cento e os ucranianos 24, os russos formaram o terceiro contingente com cerca de 23 por cento.</p> <p>As autoridades francesas registaram no ano passado 806 atos antissemitas, um número que, apesar de elevado, registou um recuo de 5 por cento. Já os atos antimuçulmanos triplicaram: foram registadas 429 ocorrências.</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p lang="fr" dir="ltr">2015: record d’actes antimusulmans et haine antisémite toujours intense en France <a href="https://t.co/0pUEPRQef7">https://t.co/0pUEPRQef7</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/AFP?src=hash">#AFP</a></p>— Agence France-Presse (@afpfr) <a href="https://twitter.com/afpfr/status/689556716225073152">19 janeiro 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>