Última hora

Última hora

Pamela Anderson em França pela defesa dos patos contra o "foie gras"

Pamela Anderson esteve esta terça-feira no parlamento francês a promover a luta contra o processo de produção de “foie gras”, uma das especialidades

Em leitura:

Pamela Anderson em França pela defesa dos patos contra o "foie gras"

Tamanho do texto Aa Aa

Pamela Anderson esteve esta terça-feira no parlamento francês a promover a luta contra o processo de produção de “foie gras”, uma das especialidades mais famosas da “cuisine française”. A atriz, de 48 anos, é apoiante de uma proposta de lei de um deputado gaulês ecologista.

Famosa pela série televisiva “Baywatch – Marés Vivas”, Pamela Anderson, natural do Canadá, pretende ajudar a convencer os franceses a deixarem de alimentar à força os patos e os gansos para dilatar o fígado das aves e assim produzir a famosa iguaria.

“Como canadiana, fico envergonhada pelo brutal assassínio à paulada de focas bebés e, por isso, também simpatizo com os cidadãos fanceses que sentem tanto vergonha como tristeza pelo sofrimento miserável imposto a estas aves tão sociáveis”, afirmou a atriz naturalizada norte-americana.

A crueldade da produção de “foie gras” levou o estado da Califórnia a proibir, em 2012, a produção e venda desta especialidade francesa. Um juiz federal bloqueou a proibição de vender, mas o estado norte-americano recorreu dessa decisão.

A presença de Pamela Anderson em Paris acontece numa altura em que a produção de “foie gras” foi suspensa devido a um surto de gripe das aves no sudeste de França, a região onde mais se produz o controverso paté. O setor receia que a paragem provoque prejuízos na ordem dos 350 milhões de euros. “Nós respeitamos que algumas pessoas não queiram comer ‘foie gras’, mas elas não devem impedir os que gostam de o comer”, defendeu Marie-Pierre Pe, da Cifog, uma associação de produtores da iguaria.

A França produz mais de 20 toneladas de “foie gras” por ano e exposta, sobretudo, para o Japão, Espanha e Bélgica. Cerca de 30 mil famílias francesas dependem da produção desta iguaria para viver, garante a Cifog.