Última hora

Última hora

H1N1: Vírus está de volta mas não é epidemia, dizem os responsáveis da saúde

O vírus da gripe H1N1 matou dezenas de pessoas nos últimos dois meses, mas as entidades responsáveis pela saúde pública rejeitam os receios de uma

Em leitura:

H1N1: Vírus está de volta mas não é epidemia, dizem os responsáveis da saúde

Tamanho do texto Aa Aa

O vírus da gripe H1N1 matou dezenas de pessoas nos últimos dois meses, mas as entidades responsáveis pela saúde pública rejeitam os receios de uma nova epidemia.

Na Arménia a gripe H1N1 ceifou a vida de 18 pessoas, nos últimos dois meses, segundo o Ministério da Saúde arménio. Oito destas mortes ocorreram durantea semana passada, mas o ministro da Saúde descartou qualquer risco de epidemia.

Entretanto na vizinha Geórgia o vírus matou três pessoas desde o início do ano, enquanto na Rússia a agência AFP contabilizou 17 vítimas mortais desde o mês passado, com base em informações recolhidas junto das autoridades regionais de saúde.

Em São Petersburgo 313 pessoas foram hospitalizadas nos últimos dez dias com a H1N1. A porta-voz dos serviços locais de saúde pública, Maria Khitarishvili, disse à AFP que cinco pessoas faleceram depois de adoecerem com a gripe e que outras três mortes estão a ser investigadas para esclarecer se a causa foi o mesmo vírus.

Na região de Rostov foram identificadas quatro mortes em consequência da gripe e as autoridades registaram 120 casos.

Isto, enquanto no Irão a H1N1 matou já 112 pessoas e obrigou a hospitalizar mais de mil desde meados de novembro, segundo as autoridades locais.

A major H1N1 outbreak sparked a World Health Organization pandemic alert in June 2009, after the virus emerged from Mexico and the United States.

The outbreak killed around 18,500 people in 214 countries. The alert was lifted in August 2010.

Em junho de 2009, um surto de H1N1 provocou um alerta de pandemia da Organização Mundial de Saúde, depois de o vírus ter surgido a partir do México e dos Estados Unidos.

O surto matou cerca de 18.500 pessoas em 214 países. O alerta foi levantado em agosto de 2010 .