This content is not available in your region

Autoridades britânicas "chamam" embaixador russo em Londres

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Autoridades britânicas "chamam" embaixador russo em Londres

<p>O presidente russo Vladimir Putin terá “provavelmente” aprovado o assassinato do adversário Alexander Litvinenko, segundo o juiz britânico Robert Owen que em Londres conduziu um inquérito cujas conclusões foram hoje tornadas públicas.</p> <p>A Ministra britânica do Interior Theresa May foi à Câmara dos Comuns falar do inquérito e anunciou que o embaixador russo em Londres vai ser convocado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros. </p> <p>May assegurou que os ativos dos dois supostos assassinos, <br /> Andrei Lugovoi, agora membro de um partido nacionalista, e Dmitry Kovtun um empresário, serão congelados.</p> <p>Alexander Litvinenko, de 43 anos, morreu de envenenamento por polônio no final de novembro de 2006, três semanas após uma reunião com os dois suspeitos no Hotel Milenium de Londres.</p> <p>A primeira dose mais baixa de polônio teria sido administrado mais cedo, em 16 de Outubro, antes da dose fatal de 1 de Novembro.</p> <p>O ex-agente da <span class="caps">KGB</span> tinha-se tornado investigador independente e crítico do Kremlin e numa carta acusou publicamente o presidente Vladimir Putin de ordenar seu assassinato, antes de morrer.</p> <p>A morte de Litvinenko provocou indignação na Grã-Bretanha e o rasto do veneno radioativo foi encontrado em vários locais da capital.</p> <p>O advogado que representa a família da vítima considerou este homicídio um “ato de terrorismo nuclear”.</p> <p>A viúva de ex-espião Litvinenko diz que a investigação das autoridades britânicas revelou a verdade.</p> <p>Litvinenko estava ao serviço da agência de espionagem britânica MI6 e ajudava as forças de segurança espanholas no combate à máfia russa.</p> <p>Cabe agora ao juiz Robert Owen formalizar ou não a acusação contra a Rússia, e também analisar as consequências diplomáticas que isso poderá provocar.</p>