This content is not available in your region

Myanmar liberta prisioneiros políticos antes de oposição subir ao poder

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Myanmar liberta prisioneiros políticos antes de oposição subir ao poder

<p>O Myanmar libertou esta sexta-feira mais de meia centena de prisioneiros políticos, a dias da oposição assumir pela primeira vez o poder no país, após a vitória nas eleições de novembro.</p> <p>O executivo cessante, herdeiro da Junta Militar, anunciou a libertação de pelo menos uma centena de detidos e a comutação de penas de morte em prisão perpétua para 77 condenados, à luz do acordo de transição política no país.</p> <p>Um dos detidos libertados, Aung Min Kyaw, afirma: </p> <p>“Não posso sentir-me inteiramente feliz quando o governo continua a libertar-nos de forma separada. Quero ver libertados todos os ativistas, prisioneiros políticos, estudantes, camponeses e trabalhadores que permanecem na cadeia.”</p> <p>A maioria das pessoas visadas pela amnistia encontravam-se encerradas na prisão de Insein, na capital, apontada como um dos principais instrumentos de repressão durante 49 anos de ditadura militar.</p> <p>Em Dezembro, 129 prisioneiros políticos permaneciam detidos e 408 ativistas aguardavam ainda julgamento por protestos políticos, em todo o país.</p> <p>Outro ex-prisioneiro político, Bo Thein, afirma:</p> <p>“Acredito sinceramente que o novo governo vai resolver os problemas do país. Com a subida ao poder Aung San Suu Kyi, temos uma “mãe” no poder e isto vai mudar tudo”.</p> <p>Entre os prisioneiros incluídos na amnistia encontra-se um cidadão neo-zelandês condenado a dois anos e meio de prisão por “insulto à religião”, depois de ter utilizado a imagem de um Buda para promover uma festa num bar de Rangoon.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-partner="tweetdeck"><p lang="en" dir="ltr">52 <a href="https://twitter.com/hashtag/PoliticalPrisoners?src=hash">#PoliticalPrisoners</a> now confirmed to have been released under presidential amnesty in <a href="https://twitter.com/hashtag/Burma?src=hash">#Burma</a> so far. List of names to follow.</p>— AAPP (Burma) (@aapp_burma) <a href="https://twitter.com/aapp_burma/status/690429724590501889">January 22, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>A amnistia foi anunciada na véspera da eleição presidencial de dia 1 de fevereiro, no novo parlamento, dominado pelo partido de Aung San Suu Kyi.</p>