This content is not available in your region

Turquia ameaça boicotar negociações sobre a Síria

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Turquia ameaça boicotar negociações sobre a Síria

<p>As negociações de paz sobre a Síria vão ser retomadas na sexta-feira, quatro dias após a data inicial, e quando permanecem divisões sobre a presença das milícias curdas nas discussões em Genebra.</p> <p>O enviado da <span class="caps">ONU</span> para a Síria, Stefan de Mistura, afirmou ter enviado esta terça-feira os convites ao governo de Damasco e aos responsáveis da oposição, sem indicar os nomes dos participantes no debate.</p> <p>Em Moscovo, Serguei Lavrov voltou a exigir a presença das milícias curdas da Síria:</p> <p>“Alguns membros do Grupo de Contacto sobre a Síria insistem que só os grupos da oposição, que se sentaram no ano passado em Riade, devem representar a oposição síria e que todos os outros deverão ficar fora do debate. Trata-se de uma violação clara da resolução da <span class="caps">ONU</span>”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo.</p> <p>Uma mensagem dirigida a Ancara, para quem o <span class="caps">PYD</span> curdo da Síria e a sua milícia <span class="caps">YPG</span>, são considerados grupos terroristas, devido às suas ligações aos separatistas do <span class="caps">PKK</span>, mesmo que combatam ao lado da coligação internacional no terreno.</p> <p>O ministro dos Negócios Estrangeiros turco ameaçou, esta tarde, boicotar a reunião se o <span class="caps">PYD</span> for convidado a Genebra. </p> <p>Horas antes, o primeiro-ministro Ahmet Davutoglu afirmava, frente ao parlamento:</p> <p>“É inaceitável deixar que uma organização terrorista se junte às negociações, ao lado das forças da oposição. Eles não podem sentar-se ao lado de grupos da oposição que combatem o regime. Se alguém quer ver o <span class="caps">PYD</span> nessa mesa, então tem que sentá-lo do lado dos representantes do regime sírio”.</p> <p>As discussões de Genebra deverão assegurar a formação de um governo transitório sírio, ainda este ano, antes da convocação de novas eleições em 2017.</p> <p>O processo encontra-se agora ameaçado pelo braço de ferro entre a Turquia e a Rússia, quando a tensão diplomática entre os dois países não pára de aumentar desde que Ancara abatera um caça russo no ano passado.</p> <p>O líder do <span class="caps">PYD</span>, Salih Müslim, afirmou entretanto, esta tarde, que não recebeu ainda um convite para estar presente em Genebra.</p>