Última hora

Última hora

Presidente francês agraciou vítima de violência conjugal condenada a prisão

A opinião pública mobilizou-se depois de o julgamento em recurso ter confirmado os 10 anos de prisão. Os juízos não aceitaram a tese da "legitima defesa", já que o marido estava de costas

Em leitura:

Presidente francês agraciou vítima de violência conjugal condenada a prisão

Tamanho do texto Aa Aa

A opinião pública francesa ganhou o combate e Jacqueline Sauvage poderá ser libertada em breve, após ter sido agraciada pelo presidente da república.

Point of view

"Ao fim de 47 anos de sofrimento ela vai, finalmente, poder viver em paz com as filhas e os netos - Carole Marot"

Na passada sexta-feira, François Hollande tinha recebido as filhas e o advogado desta mãe de família, condenada a 10 anos de prisão por ter morto, com três tiros nas costas, o marido, após 47 anos de violência conjugal.

Carole Marot, uma das filhas, diz que agora, o que quer, é “abraçar a mãe com muita força” e dizer-lhe que “ao fim de 47 anos de sofrimento” ela vai, “finalmente, poder viver em paz com as filhas e os netos.”

A opinião pública mobilizou-se depois de o julgamento em recurso ter confirmado os 10 anos de prisão. Os juízos não aceitaram a tese da “legitima defesa”, já que o marido estava de costas.

François Hollande refere uma “situação humana extraordinária”. Foi isso que o levou a acordar esta graça parcial, de dois anos e quatro meses, o que a Sauvage pedir imediatamente a liberdade condicional. Jacqueline Sauvage poderá estar livre em abril.