Última hora

Última hora

OMS cria unidade de resposta global ao vírus Zika

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criou, esta terça-feira, uma "unidade de resposta global" para coordenar as ações de combate ao vírus Zika. Para além dos casos de microcefalia e a sua provável re

Em leitura:

OMS cria unidade de resposta global ao vírus Zika

Tamanho do texto Aa Aa

Um dia depois de ter declarado uma emergência sanitária de dimensão internacional (PHEIC, na sigla em inglês) pela quarta vez na sua história, a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou, esta terça-feira, uma “unidade de resposta global” para coordenar as ações de combate ao vírus Zika. Para além dos casos de microcefalia e a sua provável relação com o Zika, que ainda não foi comprovada, a OMS está preocupada com a rápida propagação do vírus.

O diretor do departamento de cuidados de saúde maternoinfantis da OMS, Anthony Costello, recorda que o vírus não se transmite “entre pessoas”, mas sim de determinados “mosquitos para os humanos” e que o grande risco é que o vírus regresse a África e à Ásia, onde a natalidade é maior, e possa chegar ao sul da Europa e dos Estados Unidos.

O responsável da OMS avança também que o fenómeno El Niño “pode ser uma das razões propagação do vírus” e avisa que uma vacina está “a anos, não a meses de distância”.

A OMS espera 3 a 4 milhões de casos de Zika este ano, 1,5 milhões dos quais no Brasil.

O vírus Zika é transmitido pelo mesmo mosquito que espalha o dengue e a febre amarela. Em Portugal, este mosquito (Aedes aegypti) só foi encontrado na Madeira.

Até agora, a OMS só tinha declarado situações de emergência sanitária de dimensão internacional por causa da poliomielite, do vírus H1N1 e do ébola.