Última hora

Última hora

Assange contra-ataca

O fundador da WikiLeaks considerou que a decisão de um grupo de trabalho da ONU é uma "vitória significativa", afirmou que "cabe agora à Suécia e ao Reino Unido aplicar o veredicto" e deixou um aviso.

Em leitura:

Assange contra-ataca

Tamanho do texto Aa Aa

Visivelmente satisfeito com a decisão de um grupo de peritos das Nações Unidas, que classificou a sua detenção de “arbitrária”, Julien Assange surgiu sorridente, esta sexta-feira, na varanda da embaixada do Equador em Londres, onde está refugiado desde junho de 2012.

Point of view

Se esta detenção ilegal e imoral continuar, haverá consequências criminais para as partes envolvidas.

O fundador da WikiLeaks considerou a decisão uma “vitória significativa”, afirmou que “cabe agora à Suécia e ao Reino Unido aplicar o veredicto” e deixou um aviso:

“Se esta detenção ilegal e imoral continuar, haverá consequências criminais para as partes envolvidas”.

Assange recordou que a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura pode ser acionada em qualquer país porque tem “jurisdição universal”.

Se sair da embaixada do Equador, Assange será extraditado para a Suécia para responder a alegações de abuso sexual.

Mas, o verdadeiro receio do fundador da WikiLeaks é que depois seja extraditado para os Estados Unidos, onde é procurado pela divulgação, em 2010, de comunicações diplomáticas e documentos secretos sobre o Iraque e o Afeganistão.