This content is not available in your region

Europa: Preocupações com crescimento económico fazem afundar as bolsas

Access to the comments Comentários
De  Patricia Cardoso  com LUSA, REUTERS, AFP
Europa: Preocupações com crescimento económico fazem afundar as bolsas

<p>Dia negro nas bolsas europeias, com os investidores preocupados com o crescimento económico mundial. </p> <p>As perdas foram pesadas. Milão recuou quase 4,7%. Paris 3,2%. Frankfurt 3,3%. </p> <p>Lisboa seguiu a tendência. Recuou 2,8% e os juros da dívida portuguesa a dez anos tiveram a maior subida em oito meses. </p> <p>O índice <span class="caps">FTSE</span>urofirst 300 cedeu 3% para mínimos de 16 meses. Os títulos bancários e os setores automóvel e tecnológico são os mais penalizados. </p> <p>Mike Ingram, analista de mercados no <span class="caps">BGC</span> Partners, defende: “Penso que há problemas económicos muito profundos e há ainda alguns problemas políticos que complicam a situação. É uma das razões pelas quais decidi não comprar ações europeias. Estou contente de não ter de enfrentar esse problema”.</p> <p>A bolsa de Atenas foi a mais penalizada. Afundou quase 8%, arrastada pelo setor bancário. Os bancos gregos perderam entre 17% e 29% só esta segunda-feira. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="en" dir="ltr">European banks so far this year: <br /> <br /> Greek -56%<br /> German -33%<br /> Italian -31%<br /> French -24%<br /> Portuguese -20%<br /> UK -19%<br /> Spanish -18%</p>— Jamie McGeever (@ReutersJamie) <a href="https://twitter.com/ReutersJamie/status/696641337291075584">8 fevereiro 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Os investidores abandonam ativos de risco, a favor dos títulos do Tesouro americano ou do ouro, numa altura em que a Grécia negocia as medidas de austeridade com os credores internacionais.</p> <p>O euro manteve-se estável. </p> <p>O petróleo continua a recuar, com a ausência de novidades da reunião entre a Arábia Saudita e a Venezuela. O barril de Brent está pouco acima dos 30 dólares.</p>