Última hora

Última hora

África do Sul: Presidente Zuma, o recordista de processos judiciais

Começou esta terça-feira, no Tribunal Constitucional da África do Sul, o processo que vai decidir se o Presidente, Jacob Zuma vai ter de pagar os

Em leitura:

África do Sul: Presidente Zuma, o recordista de processos judiciais

Tamanho do texto Aa Aa

Começou esta terça-feira, no Tribunal Constitucional da África do Sul, o processo que vai decidir se o Presidente, Jacob Zuma vai ter de pagar os custos do reforço da segurança da sua casa de campo. A ação foi movida pela oposição a Zuma. Antes, os partidos da Aliança Democrática e dos Combatentes da Liberdade Económica rejeitaram uma proposta do presidente para pagar parte da obra milionária.

Jacob Zuma fez o Estado gastar mais de 13 milhões de euros no reforço da segurança da casa de campo da província de KwaZulu-Natal. Nas obras incluiu um estábulo para vacas, um galinheiro, uma piscina e um anfiteatro.

Mas este não é o primeiro escândalo em que está envolvido o presidente sul-africano. Em maio de 2014 foi reeleito para um segundo mandato e de figura muito popular pela luta contra ao apartheid, passou a detentor do recorde de processos na justiça.

As acusações são as mais variadas: desde violação, antes de chegar à presidência, até ao desvio de dinheiro público. Zuma está nesta altura numa posição muito vulnerável, sobretudo porque o país está a enfrentar uma grave crise económica.

Na África do Sul reinam os extremos e as desigualdades: no segundo país mais rico de África, trigésimo quarto a nível mundial, 39% da população vive em situação de pobreza; o desemprego ultrapassa os 25% da população ativa e cerca de 40% se se tiver em conta aqueles que nem sequer procuram trabalho e as previsões não são animadoras: para 2017 é esperado um crescimento que não deve ir além dos 1,1%.

Este cenário negativo e os sucessivos escândalos têm dado força à oposição. As manifestações nas ruas repetem-se e poucos analistas acreditam que o presidente vai chegar ao final do mandato, em 2019.

Na linha da frente para a para a substituição está Julius Malena, que também já fez parte do ANC. O líder do partido dos Combatentes da Liberdade Económica garante que está a ser roubada a herança de vários anos de luta.
Malena, que também enfrenta uma longa lista processos judiciais, é então o mais forte candidato a chegar ao poder e tem prometido aos seguidores que vai fazer cair o presidente.