Última hora

Última hora

Carnaval evitou uma tragédia maior no choque frontal de dois comboios na Alemanha

O feriado de Carnaval evitou um balanço ainda mais trágico do choque frontal de dois comboios, esta terça-feira, em Bad Aibling, no sul da Alemanha. Quem o afirmou foi o chefe regional da polícia.

Em leitura:

Carnaval evitou uma tragédia maior no choque frontal de dois comboios na Alemanha

Tamanho do texto Aa Aa

O feriado de Carnaval evitou um balanço ainda mais trágico do choque frontal de dois comboios, esta terça-feira, em Bad Aibling, no sul da Alemanha. Quem o afirmou foi o chefe regional da polícia.

“Estavam aproximadamente 150 passageiros nas composições (…) por causa de ser Carnaval. Num dia de semana normal, os comboios teriam seguramente muito mais passageiros, especialmente estudantes”, referiu Robert Kopp.

Ao final da tarde, o balanço da colisão era de 10 mortos e 81 feridos, 18 dos quais em estado grave.

O choque entre os dois comboios regionais de passageiros “Meridian” ocorreu à hora de ponta, por volta das sete da manhã, menos uma hora em Lisboa.

As ambulâncias não conseguiram chegar ao local do sinistro, junto ao rio Mangfall, no meio de um denso bosque. Os feridos tiveram de ser transportados de helicóptero.

Patrick foi um dos que sobreviveu:

“Subitamente, sentimos o comboio travar abruptamente e ouvimos um estrondo enorme. Fui projetado para a frente e quando voltei a abrir os olhos estava tudo negro à minha volta. Só conseguia ouvir as pessoas a gritar. Ao meu lado, estava um rapaz estendido no chão. Peguei nele e sentei-o, e comecei a perguntar se alguém estava ferido. Os que estavam na minha carruagem não tinham ferimentos graves e com ajuda de alguns passageiros acabei por conseguir abrir a porta de emergência e saímos”.

O ministro alemão dos Transportes, Alexander Dobrindt, e o ministro do Interior da região da Baviera visitaram o local do acidente ao final da manhã. Os responsáveis referiram que os comboios podem circular a 100 km/hora na secção de via única onde ocorreu o acidente e referiram que os maquinistas nem devem ter tido tempo de travar porque o choque frontal aconteceu numa curva da linha, sem visibilidade. As autoridades abriram uma investigação para apurar as causas da tragédia e não compreendem ainda porque é que o sistema de segurança “PZB90” que é suposto “forçar os comboios a travar” não funcionou.

A imprensa germânica começou a especular sobre a possibilidade de um erro humano ter estado na origem do acidente.