Última hora

Última hora

Do El Niño à fome no mundo

Em leitura:

Do El Niño à fome no mundo

Tamanho do texto Aa Aa

A seca está a afetar a América Central, parte de África e da Ásia e está a provocar uma grave crise alimentar. No Haiti, 3 milhões e 600 mil pessoas

A seca está a afetar a América Central, parte de África e da Ásia e está a provocar uma grave crise alimentar.

No Haiti, 3 milhões e 600 mil pessoas enfrentam uma insegurança alimentar já que muitos agricultores perderam uma parte significativa das colheitas.

Segundo o Programa Alimentar Mundial, o El Niño é o responsável pela situação:

“Os seus efeitos serão sentidos até ao início de 2017 e de forma generalizada em termos geográficos. O El Niño tem causado impactos nas estações de crescimento na América Central, no Haiti. Na Etiópia, registou-se uma das estações mais secas dos últimos 50 anos, mesmo na Indonésia e Papua Nova Guiné que voltam a experienciar uma das maiores secas de que há registo”, adianta Rogerio Bonifacio, analista do Programa Alimentar Mundial.

No ano passado o El Niño foi um pouco mais forte do que em 1997. O fenómeno ocorre a cada 3 ou 5 anos, em média, e é percetível quando as águas equatoriais do Oceano Pacífico começam aquecer de forma significativa e a afetar os padrões climáticos globais.

Na Etiópia, o segundo país mais populoso de África, cerca de 100 milhões de habitantes, dez milhões enfrentam as consequências da pior seca em meia década.

Um cenário semelhante no Zimbábue que declarou o estado de calamidade devido à seca extrema.

O El Niño colocou milhões de pessoas em risco de fome, devido às plantações devastadas e à falta de água nos rios por toda a região.

Mas os efeitos da seca são múltiplos. Além do custo para a agricultura e pecuária, a seca pode afetar a geração de energia. Em países como o Zimbabwe 38% da energia elétrica é energia hídrica.