Última hora

Última hora

Liga Portuguesa, J22: FC Porto "derruba" Benfica na Luz, Sporting retoma poleiro

"Dragões" surpreendem "águias" e impõem segunda derrota em casa aos bicampeões esta época. Mitroglou abriu o marcador, Herrera e Aboubakar assinaram a reviravolta no marcador, os portistas ficaram a 3 pontos e com vantagem direta sobre os "encarnados". Sporting goleou na Choupana e voltou a isolar

Em leitura:

Liga Portuguesa, J22: FC Porto "derruba" Benfica na Luz, Sporting retoma poleiro

Tamanho do texto Aa Aa

“Dragões” surpreendem “águias” e impõem segunda derrota em casa aos bicampeões esta época. Mitroglou abriu o marcador, Herrera e Aboubakar assinaram a reviravolta no marcador, os portistas ficaram a 3 pontos e com vantagem direta sobre os “encarnados”. Com um bis de Slimani, Sporting goleou na Choupana e voltou a isolar-se na liderança do campeonato.

Benfica e FC Porto reencontraram-se esta sexta-feira, na abertura da jornada 22, com problemas nos eixos centrais da defesa. O sueco Victor Lindelöf , de 21 anos, fez o segundo jogo a titular e o primeiro num dos grandes clássicos do futebol português, ocupando a vaga “encarnada” aberta pela lesão de Lisandro.

Ao lado de Martins Indi, nos “dragões”, surgiu Chidozie Awaziem. O nigeriano, de apenas 19 anos, assinalou a estreia absoluta pela primeira equipa, aproveitando as ausências de Maicon e Marcano. Chidozie foi, aliás, um dos melhores em campo.


Primeira nota de destaque, a enorme assobiadela dedicada pelos adeptos “encarnados” a Maxi Pereira, na primeira vez que o uruguaio tocou na bola neste primeiro regresso à Luz após trocar o Benfica pelo FC Porto.

O jogo começou com um “peito a peito” entre os dois meio-campos. O equilíbrio foi desfeito à entrada no segundo quarto de hora, pouco depois de um remate de Pizzi a sair perto da baliza portista.

Num lance iniciado por Lindelöf, Renato Sanches ganhou espaço entre os médios rivais à entrada da área portista e lançou Mitroglou. Na cara de Casillas, aos 18 minutos, o grego marcou de pé direito – já há 6 jornadas que “Mitro” faz golos no campeonato.


O FC Porto subiu no terreno. O Benfica passou a tentar explorar os espaços abertos. Os “dragões” acabaram premiados. Pela esquerda, Layún, aos 28 minutos, serviu atrasado Herrrera e o mexicano rematou rasteiro, cruzado e sem hipóteses para Júlio César.

O equilíbrio e o receio de parte a parte voltaram ao jogo. Até que Jonas deu uma pedrada no charco e obrigou Casillas a grande defesa. Do outro lado, Brahimi remata ao lado. Mitroglou também desperdiça. O jogo podia cair para qualquer lado e chegou ao intervalo com jovem Chidozie a queixar-se de uma lesão.

O nigeriano voltou para a segunda parte e em boa forma, neutralizando uma iniciativa de Mitroglou. O Benfica foi tomando conta do jogo e pressionando mais. Aos 52 minutos, Casillas opõe-se bem a remate de Gaitán.

Aos 57 minutos, foi Brahimi, após combinação com Herrera, a atira para defesa de Júlio César. José Peseiro queria mais e trocou o apagado Corona pelo maliano Marega, contratado em janeiro ao Marítimo.

O africano entrou bem, colocou Eliseu sob maior pressão e, aos 67 minutos, numa jogada envolvente no outro flanco, o FC Porto conseguiu a “cambalhota” no marcador. Um lance iniciado num bom corte de Chidozie. Aboubakar finalizou.


O Benfica reagiu e Casillas voltou a mostrar serviço, evitando um autogolo de Indi e o bis de Mitroglou. Rui Vitoria trocou Samaris e Pizzi por Talisca e Carcela, recuando Renato para a posição “6”. Peseiro respondeu com Rúben Neves, no lugar de André André.

O Benfica perdeu serenidade e Rui Vitoria apostou tudo: tirou Eliseu e apostou no regressado Salvio – estreia no campeonato do argentino, após quase 9 meses de ausência dos relvados. O FC Porto fechou-se e Peseiro jogou Varela, no lugar de Brahimi, para os derradeiros minutos.


Os “dragões” seguraram o triunfo, aproximam-se do topo da classificação e ficam, desde já, em vantagem no confronto direto com as “águias”, em caso de empate. O Benfica sofreu a segunda derrota em casa esta época, depois dos 0-3 diante do Sporting e soma “zero” pontos diante dos rivais diretos, faltando apenas jogar em Alvalade. O Benfica deixou fugir, de novo, o Sporting.



Ficha de jogo

Estádio da Luz , Lisboa (61.536 espetadores).
Árbitro: Artur Soares Dias (Porto).

Benfica: Júlio César; André Almeida (A), Lindelöf, Jardel e Eliseu; Samaris (Carcela, 69’, A) ; Pizzi (Talisca, 69’), Renato Sanches (A) e Gaitán; Mitroglou e Jonas.
Treinador: Rui Vitória.

FC Porto: Casillas; Maxi Pereira, Chidozie, Martins Indi e Layún (A); Danilo; Corona (Marega, 59’), André André (Rúben Neves, 74’, A), Herrera (A) e Brahimi (Varela, 86’); Aboubakar.
Treinador: José Peseiro.

Golos: Mitroglou (18’); Herrera (28’) e Aboubakar (65’).


Sporting goleia para a liderança na Choupana

O Sporting deslocou-se sábado à Choupana, na Madeira, o único estádio onde conheceu o travao amargo da derrota esta época, diante do União da Madeira. Desta vez, diante do “dono da casa”, o Nacional da Madeira, os “leões” não deram hipótese e, perante a hipótese de retomarem isolados a lidera nça do campeonato, abriram cedo o marcador e partiram para um resultado inequívoco: 0-4.


Insatisfeito com a prestação na última jornada (empate a “zero” com o Rio Ave em casa) das alternativas a Slimani de que dispõe atualmente, depois das dispensas de Tanaka e Montero em janeiro, Jorge Jesus retomou na Madeira o controversa esquema com 5 médios interiores e apenas Slimani na frente. Foi feliz, desta vez. Muito feliz.

Logo aos 3 minutos, a um canto da esquerda de João Mário, Slimani acorreu com oportunidade e abriu o marcador. A ganhar bem cedo, o Sporting escusava de se debruçar no ataque e o meio-campo sobrelotado no miolo acabou por ser o tampão ideal para impedir a reação de um Nacional demasiado dependente da velocidade do desinspirado Salvador Agra.


Com Paulo Oliveira, Naldo e Ewerthon lesionados, o Sporting surgiu com uma dupla de centrais inédita na Madeira. A prestação poderá valer a Coates e Rúben Semedo terem ganho o lugar com mérito, mas há que enfrentar um adversário mais forte para a “prova dos nove.”


Aos 18 minutos, Sliamni isola Ruiz. O costa-riquenho parece partir em linha com a defesa e marca, mas Bruno Paixão anula por alegado fora de jogo. Pouco epois da meia-hora, Bruno César lesionado, cedeu o lugar a Mané. Sobre o apito para o intervalo, o recém-entrado avançado desperdiça após nova assistência de — quem diria ? — Slimani.

Para a segunda parte, Manuel Machado trocou Ricardo Gomes por Joan Román. Mas é o Sporting a surgir melhor, com Mané mais próximo de Slimani. Aos 51 minutos, Ruiz faz um túnel a Rui Correia à entrada da área e o defesa corta a bola com a mão. Penálti. Adrien não perdoou : 0-2.

No Nacional, sai Ghazal, entra Nené Bonilha. Pouco depois, saiu Tiquinho Soares e entrou Rodrigo Pinho. O Sporting respondeu com o 0-3. João Mário marcou na recarga a um remate de Slimani â trave após falha tremenda de Bonilha. Tudo fácil.


Aos 72 minutos, Jorge Jesus começou a gerir a equipa, talvez já a pensar na receção a meio da semana ao Bayer de Leverkusen, na Liga Europa. Adrien cedeu o lugar a Aquilani. Nacional encostou-se às cordas. Slimani desperdiça na cara de Gottardi aos 78 minutos.


Aos 80 minutos, entrou Schelotto para o lugar de Zeegelaar (não está inscrito na prova europeia) e joão Pereira foi testado na lateral esquerda. Aos 86 minutos, novo penálti, por falta de Sequeira sobre Schelotto, mas o derrube parece ser fora da área. Slimani é a escolha de Jesus e o argelino assina o 18.° golo no campeonato.


Nos descontos, surgiu a melhor opotunidade para o Nacional : Willyan atirou ao lado. O Sporting somou os 3 pontos, aproveitou a derrota em casa do Benfica e volta a estar a sozinho na liderança da Liga, a 12 jornadas do final. Os insulares foram alcançados pelo antepenúltimo, o Boavista, curiosamente o próximo adversário do Sporting na Liga portuguesa.


Ficha de jogo

Estádio da Madeira, Funchal (4127 espetadores).
Árbitro: Bruno Paixão (Setúbal).

Nacional: Gottardi ; João Aurélio, Rui Correia (A), Belkeroui (A) e Sequeira (A); Willyan, Al Ghazal (A, Nenê Bonilha, 53’) e Washington ; Salvador Agra, Tiquinho Soares (Rodrigo Pinho, 60’) e Ricardo Gomes (Román, 46’).
Treinador: Manuel Machado.

Sporting: Rui Patrício ; João Pereira, Coates, Rúben Semedo e Zeegelaar (A, Schelotto, 80’) ; William (A) e Adrien (Aquilani, 72’, A); João Mário, Bryan Ruiz e Bruno César (Carlos Mané, 34’); Slimani.
Treinador: Jorge Jesus.

Golos: Slimani (3’ e 86’ gp), Adrien (52’gp) e João Mário (63’).


Braga sozinho no quarto e empate de “Vitórias”

O Sporting de Braga visitou o Marítimo, no domingo à noite, e abriu o marcador logo aos 17 minutos, numa grande penalidade controversa. Pedro Santos não perdoou. Pouco depois, Hassan dilatou a vantagem dos “guerreiros” e ainda antes do intervalo, numa jogada atabalhoada, Pedro Santos bisou. Ainda antes do intervalo, Dyego Sousa reduziu e fixou o resultado final.

O Marítimo mantém-se na metade inferior da tabela, 3 pontos acima da linha de água. O Braga está confortável no 4.° lugar, agora 10 pontos acima do Guimarães, o 5.°, e a 7 do terceiro lugar.

Os “conquistadores” receberam no sábado o homónimo de Setúbal e repetiram o resultado de há 5 meses à beira do Sado : 2-2. André Claro abriu o marcador, Josué empatou, Cissé relançou os sadinos e Otávio, de penálti, fixou a partilha de pontos.


Melhores marcadores


23 golos: Jonas (Brasil, Benfica);
18 golos: Slimani (Argélia, Sporting);
14 golos: Bruno Moreira (P. Ferreira);
13 golos: Mitroglou (Grécia, Benfica);
12 golos: Rafael Martins (Brasil, Moreirense);
11 golos: Aboubakar (Camarões, FC Porto);
10 golos: Leo Bonatini (Brasil, Estoril) e André Claro (V. Setúbal).

Ainda no sábado, o Belenenses foi a Moreira de Cónegos conquistar a terceira vitória fora de casa : 2-3. No domingo, o Arouca recebeu o União da Madeira e venceu 3-0. A equipa de Lito Vidigal subiu ao 6.° lugar, à condição.

O Estoril recebeu o “lanterna vermelha”. O Tondela adiantou-se com um penálti de Nathan Junior. Mendy empatou na primeira parte e Tikito deu a volta para os “canarinhos”, após o intervalo. Em jogo de aflitos, Boavista e Académica empataram a “zero” no Bessa. Os “estudantes” continuam em zona de descida. As “panteras” têm apenas mais 2 pontos.

Foi também a partilhar pontos que Rio Ave e Paços de Ferreira fecharam segunda-feira à noite a jornada. Ainda na primeira parte, Bruno Moreira assinou, de penálti, o 14.° golo no campeonato e podia ter bisado, se Cássio não defendesse o segundo castigo máximo assinalado, na segunda parte, contra o Rio Ave. Kuca empatou para os anfitriões pouco depois do intervalo. Os “castores” ainda teriam o tal penálti desperdiçado, mas o empate permitiu-lhes recuperar o 6.° lugar, em igualdade com o Arouca. O Rio Ave, em dia de estreia de Hélder Postiga, fecham a jornada em 8.°, a 2 pontos da “Europa.”

Jornada 22:

Benfica – FC Porto, 1-2
Moreirens – Belenenses, 2-3
Nacional — Sporting, 0-4
V. Guimarães – V. Setúbal, 2-2
Arouca – Un. Madeira, 3-0
Estoril – Tondela, 2-1
Boavista – Académica, 0-0
Marítimo – Sp. Braga, 1-3
Rio Ave – P. Ferreira, 1-1

Jornada 23:

Un. Madeira – Estoril (19/fev, 20h30)
V. Setúbal – Nacional (20/fev, 18h00)
P. Ferreira – Benfica (18h30)
Académica – Rio ave (20h45)
Belenenses – Arouca (21/fev, 16h00)
Tondela – Marítimo (16h00)
FC Porto – Moreirense (18h15)
Sp. Braga – V. Guimarães (20h30)
Sporting – Boavista (20h00)