This content is not available in your region

Boutros-Ghali: Primeiro africano a liderar a ONU falece aos 93 anos

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Boutros-Ghali: Primeiro africano a liderar a ONU falece aos 93 anos

<p>O primeiro Secretário-Geral da <span class="caps">ONU</span> proveniente do continente africano, o egípcio Boutros Boutros-Ghali, faleceu esta terça-feira num hospital do Cairo, aos 93 anos de idade. </p> <p>O anúncio foi feito pelo embaixador venezuelano na <span class="caps">ONU</span>, ao início de uma reunião do Conselho de Segurança, marcada por um minuto de silêncio. </p> <p>Defensor do então chamado “terceiro mundo”, Boutros-Ghali tinha desempenhado o cargo cimeiro da <span class="caps">ONU</span> entre 1992 e 1996, marcado pela crise na Somália, tendo protagonizado uma das primeiras grandes operações humanitárias das Nações Unidas em África.</p> <p>O responsável, cujo mandato se cruzou com a guerra na ex-Jugoslávia, tinha sido igualmente criticado pela inação durante o genocídio no Ruanda, ou a falta de intervenção da <span class="caps">ONU</span> durante a guerra civil em Angola.</p> <p>Ban Ki-Moon saudou hoje o trabalho do seu antecessor, sublinhando o seu papel, “na série de operaçôes de paz que se seguiram ao final da guerra fria”.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-partner="tweetdeck"><p lang="en" dir="ltr">Statement by Ban Ki-moon on the death of former <a href="https://twitter.com/UN"><code>UN</a> Secretary-General Boutros Boutros-Ghali <a href="https://t.co/jEOgO9BsSr">https://t.co/jEOgO9BsSr</a></p>&mdash; UN Vienna (</code>UN_Vienna) <a href="https://twitter.com/UN_Vienna/status/699638468750786560">February 16, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Originário de uma família cristã copta do Egito, casado com uma mulher judia, o antigo responsável político tinha sido um dos principais negociadores dos acordos de paz israelo-palestianos de Camp David, no final dos anos setenta. </p> <p>O intelectual tinha presidido até 2002 a organização internacional da Francofonia, com um papel ativo no continente africano, após a sua saída da <span class="caps">ONU</span>.</p>