Última hora

Última hora

Ondas gravitacionais: um novo capítulo na história da astronomia

Em leitura:

Ondas gravitacionais: um novo capítulo na história da astronomia

Tamanho do texto Aa Aa

A descoberta do Observatorio norteamericano LIGO de ondas gravitacionais abriu um novo capítulo na história da astronomia. As ondas gravitacionais

A descoberta do Observatorio norteamericano LIGO de ondas gravitacionais abriu um novo capítulo na história da astronomia.
As ondas gravitacionais são causadas por alguns dos processos mais violentos e energéticos no universo. As ondas que chegam à Terra são, de acordo com especialistas, o “eco” da fusão de dois buracos negros a mais de mil milhões de anos-luz. A sua existência foi prevista há um século por Albert Einstein.

Segundo o professor Gianpiero Cagnolio, da Universidade de Lyon I, as questões mais ambiciosas podem agora ser levantadas em relação aos mistérios do universo.

“Com este descobrimento abrimos uma nova janela no universo. Agora, temos a oportunidade de estudar este fenómeno de uma maneira totalmente diferente, fenómenos totalmente desconhecidos até hoje”, afirma o professor Cagnolio.

O som de uma fusão de um buraco negro é como a voz de um recém-nascido, cada um tem a sua própria frequência. Isto vai permitir aos cientistas estudar em profundidade diferentes fenómenos.

“Ao analisar a forma da onda do sinal é possível medir as massas que geram estas ondas gravitacionais e a distância a que se encontram. Como estes parâmetro são únicos, podemos dizer que o sinal que captamos é único. É como uma impressão digital do evento que está a ocorrer”, acrescenta o professor.

Agora podemos ouvir o universo e tentar detetar o sinal mais esperado: o do Big Bang. No entanto, para isso, como afirma Gianpiero Cagnolio, a tecnologia precisa de ser melhorada:“Temos de esperar anos para reunir as ferramentas necessárias que permitam detetar as ondas gravitacionais provocadas pelo Big Bang”.

Para detetar diferentes faixas de ondas gravitacionais a uma distância mais longe no universo, os especialistas precisam de aumentar a sensibilidade do observatório LIGO dos Estados Unidos.