This content is not available in your region

Migrações: 2 crianças morrem diariamento no Mediterrâneo oriental

Access to the comments Comentários
De  Dulce Dias  com ACNUR, IOM, UNICEF, AP
Migrações: 2 crianças morrem diariamento no Mediterrâneo oriental

<p>Duas crianças morrem diariamente afogadas no Mediterrâneo oriental ao tentarem alcançar a Europa.</p> <p>A <a href="http://www.unhcr.org/56c6e7676.html">estatística foi revelada pelas agências da <span class="caps">ONU</span></a> e refere-se apenas ao mar Egeu – a parte do Mediterrâneo entre a Turquia e a Grécia e que é, atualmente, uma das rotas mais mortíferas para os migrantes que fogem de países em guerra, como a Síria.</p> <p>William Spindler, porta-voz do <span class="caps">ACNUR</span> (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) explica: </p> <p>“As crianças representam, atualmente, 36% dos que tentam a travessia, pelo que a probabilidade de se afogarem no mar Egeu, ao tentarem passar da Turquia para a Grécia, aumentou proporcionalmente. Nas primeiras seis semanas de 2016, das 80 mil pessoas que atravessaram o Mediterrâneo oriental, 410 morreram afogadas. É 35 vezes mais do que no mesmo período de 2015.”</p> <p>Desde a morte, em setembro, do pequeno Aylan Kurdi, que comoveu o mundo, mais de 340 crianças sofreram a mesma sina, no Mediterrâneo oriental. As agências estimam mesmo que o número possa ainda ser maior e que os corpos das pequenas vítimas tenham ficado no mar.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="fr"><p lang="en" dir="ltr">340+ children have drowned in the Mediterranean since Aylan Kurdi’s death in Sept '15 <a href="https://t.co/TrzydFght5">https://t.co/TrzydFght5</a> <a href="https://t.co/2TbhFdkv2u">pic.twitter.com/2TbhFdkv2u</a></p>— UN Refugee Agency (@Refugees) <a href="https://twitter.com/Refugees/status/700721209013628928">19 Février 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>A Organização Internacional para as Migrações recorda que não se trata apenas de uma catástrofe do Mediterrâneo mas de uma catástrofe humanitária.</p> <p>Quanto à <span class="caps">UNICEF</span>, pede aos países que ajudem, pelo menos, a tornar as travessias menos perigosas.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="fr"><p lang="en" dir="ltr">We must enhance safety of those escaping conflict: our joint call with <a href="https://twitter.com/UNICEF"><code>UNICEF</a> + <a href="https://twitter.com/iom"></code>IOM</a> <a href="https://t.co/Z5MdW8H47U">https://t.co/Z5MdW8H47U</a> <a href="https://t.co/SPejvDAXs1">pic.twitter.com/SPejvDAXs1</a></p>— UN Refugee Agency (@Refugees) <a href="https://twitter.com/Refugees/status/700823646969978880">19 Février 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>