This content is not available in your region

Fiji: Uma crise sanitária no rasto do ciclone Winston

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Fiji: Uma crise sanitária no rasto do ciclone Winston

<p>As agências humanitárias alertam para uma possível crise sanitária nas ilhas Fiji, após a passagem do ciclone Winston, um dos mais violentos de sempre registados no sul do Pacífico.</p> <p>Pelo menos 21 pessoas morreram e mais de 8 mil permanecem em centros de acolhimento depois de várias ilhas do arquipélago terem sido assoladas por ventos de mais de 320 km por hora.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-partner="tweetdeck"><p lang="en" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/TCWinston?src=hash">#TCWinston</a> leaves behind enormous devastation in parts of <a href="https://twitter.com/hashtag/Fiji?src=hash">#Fiji</a>'s maritime communities <a href="https://t.co/aZXO7mBDQv">https://t.co/aZXO7mBDQv</a> <a href="https://t.co/yv33m0WdN9">pic.twitter.com/yv33m0WdN9</a></p>— Republic of Fiji (@FijiRepublic) <a href="https://twitter.com/FijiRepublic/status/701359980763439104">February 21, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Segundo o primeiro-ministro do arquipélago, Josaia Voreqe, Bainimarama: </p> <p>“As linhas elétricas foram duramente atingidas em todo o país, e o metal dos telhados, vidros, fios elétricos e outros materiais representam um risco elevado à segurança pública. Estamos a trabalhar para restaurar a segurança nas ruas em várias localidades, mas o processo vai durar algum tempo”.</p> <p><blockquote class="twitter-video" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">The 12-day life of Cyclone <a href="https://twitter.com/hashtag/Winston?src=hash">#Winston</a> (so far) - <a href="https://twitter.com/hashtag/Himawari?src=hash">#Himawari</a> IR <a href="https://t.co/y7hLdG2dgY">pic.twitter.com/y7hLdG2dgY</a></p>— Dan Lindsey (@DanLindsey77) <a href="https://twitter.com/DanLindsey77/status/701631419680817153">February 22, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>As zonas mais afetadas situam-se na costa oeste, onde os destroços arrastados pelo vento provocaram várias vítimas.</p> <p>Um avião neo-zelandês com ajuda humanitária é esperado hoje na capital, Suva.</p> <p>As autoridades levantaram esta segunda-feira um recolher obrigatório de 36 horas, que deverá permitir que as equipas de resgate possam aceder às zonas mais remotas das cerca de 300 ilhas do arquipélago.</p> <p><iframe width="420" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/tc1Qe0od5Ys" frameborder="0" allowfullscreen></iframe></p> <p>As agências humanitárias mostram-se preocupadas com a situação de mais de 900 mil pessoas que vivem em bairros de lata nas áreas costeiras do país.</p>