Última hora

Última hora

Kosovo: Manifestantes contra o Governo montam tendas na praça central de Pristina

Centenas de kosovares instalaram tendas na praça principal da capital Pristina, num protesto contra o Governo que dura há já vários meses e que esteve na origem do lançamento de gás lacrimogéneo no pa

Em leitura:

Kosovo: Manifestantes contra o Governo montam tendas na praça central de Pristina

Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de kosovares instalaram esta terça-feira tendas na praça principal da capital Pristina como forma de protesto contra o Governo, num movimento social que dura há já vários meses. Exigem que sejam convocadas eleições de forma imediata e que seja suspenso um voto no parlamento nacional que permitirá a chegada ao poder de um novo Presidente, partidário da normalização das relações com a vizinha Sérvia e que participou nas recentes negociações com vista a um acordo para a atribuição de mais poder à minoria sérvia.

Point of view

O Kosovo não pode ser governado por políticos que colocaram em perigo a soberania do país

Os partidos da oposição acusam o também aquele que é candidato presidencial, vice Primeiro-ministro e líder da força política mais importante no parlamento, o Partido Democrático do Kosovo (PDK), Hashim Thacim, de nepotismo e corrupção, acusações que Thacim recusa categoricamente.

Os mais recentes protestos por parte da oposição começaram em outubro último, depois de um acordo levado a cabo com a ajuda da União Europeia com vista à normalização das relações com a Sérvia. Sucederam-se os protestos nas ruas, com violentas manifestações e enfrentamentos com a polícia. Pelo menos um edifício governamental foi incendiado.

Outra das formas de protesto por parte das forças da oposição é o lançamento de gás lacrimogéneo no parlamento, episódio que tem vindo a repetir-se durante os últimos meses.

Visar Ymeri, líder do maior partido da oposição, disse à agência Reuters que pretendem manifestar-se na praça central de Pristina “até que o Governo vá embora para casa”.

“O Kosovo não pode ser governado por políticos que colocaram em perigo a soberania do país”, acrescentou.

Na passada sexta-feira, a oposição lançou, pela última vez, gás lacrimogéneo no parlamento para protestar, mais uma vez, contra o acordo com a Sérvia e para pedir a anulação de um acordo fronteiriço com o Montenegro.

Para o Governo kosovar, a oposição mais não faz do que “lançar o país no caos e na anarquia.”

O Kosovo declarou a independência da Sérvia em 2008, praticamente uma década depois dos ataques das forças da NATO terem expulsado as forças sérvias, acusadas, por seu lado, de expulsarem civis de etnia albanesa durante os conflitos que assolavam a região.

Muitos albano-kosovares defendem que o acordo estabelecido com a Sérvia em 2015 representa, na realidade, uma ameaça para a soberania do país.