This content is not available in your region

Turquia: Jornalista do Cumhuriyet já estão em liberdade

Access to the comments Comentários
De  Dulce Dias  com AFP, REUTERS, AP
Turquia: Jornalista do Cumhuriyet já estão em liberdade

<p>Os jornalistas turcos Can Dündar e Erdem Gül foram libertados durante a noite. Na quinta-feira, o Tribunal Constitucional estatuiu que os direitos dos dois homens tinham sido violados, pelo que aguardam, em liberdade, o julgamento, previsto para março.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="fr"><p lang="de" dir="ltr">Turkish journalists Can Dündar & Erdem Gül free; still face life sentences for reporting <a href="https://t.co/OByMlpPbf2">https://t.co/OByMlpPbf2</a> <a href="https://t.co/gHSgCxUp0o">pic.twitter.com/gHSgCxUp0o</a></p>— <span class="caps">CPJ</span> (@pressfreedom) <a href="https://twitter.com/pressfreedom/status/703221364992385026">26 février 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Curiosamente, a libertação coincide com o aniversário de Recep Tayiip Erdogan, que celebra 62 anos. </p> <p>Questionados sobre a coincidência, os jornalistas afirmaram estarem muito contentes de festejarem o aniversário do presidente e a própria libertação.</p> <p>“Pensamos que é uma decisão histórica do Tribunal Constitucional. Esta decisão abre o caminho para a liberdade de imprensa, para a liberdade de expressão. Os juízes demonstraram que não estão sob o jugo do poder político. Abre o caminho para uma imprensa livre de pressões políticas”, afirmou Can Dundar, chefe de redação do Cumhuriyet. </p> <p>O chefe da delegação de Ancara do mesmo jornal, Erdem Gül, não esqueceu os camaradas ainda detidos: </p> <p>“Nós fomos libertados mas isso não significa que o debate sobre os jornalistas detidos tenha acabado. Ainda temos amigos detidos e vamos continuar a lutar por eles. A nossa luta contra a pressão sobre os media tem de continuar”.</p> <p>Refira-se que cerca de 30 jornalistas estão, atualmente, detidos, na Turquia, maioritariamente por alegados crimes ligados à liberdade de expressão.</p> <p>O chefe de redação do Cumhuriyet e o chefe da delegação de Ancara tinham sido encarcerados há mais de três meses, acusados de espionagem. Em causa, uma reportagem na qual mostravam um carregamento de armas da Turquia para rebeldes islamitas sírios.</p>