Última hora

Última hora

E o Óscar vai para...

Em leitura:

E o Óscar vai para...

Tamanho do texto Aa Aa

Chris Rock abriu a noite dos Óscares com uma referência humorística à polémica que marcou a 88ª edição da gala do cinema americano: “Aqui estou eu

Chris Rock abriu a noite dos Óscares com uma referência humorística à polémica que marcou a 88ª edição da gala do cinema americano:

Point of view

"Este filme deu voz a sobreviventes e este Óscar amplifica essa voz que nós esperamos que se possa tornar num coro que vai soar no Vaticano"

“Aqui estou eu nos Prémios da Academia, também conhecidos como os Prémios das Escolhas das Pessoas Brancas. Vocês estão a ver? Se nomeassem os apresentadores eu não teria conseguido este trabalho.”

Polémicas à parte, a grande surpresa da noite foi a vitória de “O Caso Spotlight” que conquistou a estatueta do Melhor Filme em detrimento do superfavorito “O Renascido”.

“Este filme deu voz a sobreviventes e este Óscar amplifica essa voz que nós esperamos que se possa tornar num coro que vai soar no Vaticano” – afirmou o produtor, Michael Sugar.

O filme sobre a investigação efetuada pelo jornal Boston Globe ao escândalo de abusos sexuais no seio da Igreja Católica também arrebatou o prémio do Melhor Argumento Original.

À quinta nomeação foi de vez. Aos 41 anos, Leonardo DiCaprio levou, finalmente, para casa a estatueta que consagra o Melhor Ator Principal. A eleição de DiCaprio confirmou todos os prognósticos.

““O Renascido” é acerca da relação do Homem com o mundo natural, um mundo que sentimos coletivamente em 2015 como o ano mais quente desde que há registos. A nossa produção teve que se mudar para o sul deste planeta para encontrar neve. A mudança climática é real e está a acontecer neste momento” – alertou o ator.

Para desempenhar a personagem do caçador dado como morto, DiCaprio enfrentou condições extremas no norte do Canadá e na Patagónia e foi levado ao limite físico em muitas situações. “O Renascido” também conseguiu o Óscar da Melhor Fotografia, um prémio que Emmanuel Lubezki conquistou pela terceira vez consecutiva.

O mexicano Alejandro González Iñárritu conseguiu a proeza rara de erguer o Óscar do Melhor Realizador em dois anos seguidos. Em 2015 tinha ganho a estatueta com “Birdman”. Inãrritu agradeceu a DiCaprio pelo seu desempenho: “Obrigado à Academia. Leo, tu és “O Renascido”. Obrigado por dares a tua alma, a tua arte e a tua vida.”

Brie Larson obteve o Óscar da Melhor Atriz Principal pelo papel de uma mulher sequestrada em “Quarto”. Uma conquista que veio juntar-se a uma longa lista de prémios: Golden Globe, Bafta, Spirit e Screen Actors Guild. Larson recordou que não conseguiu a estatueta sozinha: “Gostaria de agradecer ao nosso realizador, Lenny Abrahamson, que é absolutamente incrível. Emma Donoghue, que criou este mundo. Jacob Tremblay, o meu parceiro através disto de todas as maneiras possíveis.” Apesar da história ser uma ficção, “Quarto” reflete raptos bem reais, como o da austríaca Natascha Kampusch que esteve sequestrada oito anos.

Mark Rylance roubou o Óscar de Melhor Ator Secundário ao favorito Sylvester Stallone que reencarnou Rocky Balboa. Rylance conseguiu em “Ponte de Espiões” fazer-se notar no cinema, embora seja já um ator consagrado de teatro.

A sueca Alicia Vikander conquistou a estatueta da Melhor Atriz Secundária em “A Rapariga Dinamarquesa”. A mais nova das nomeadas tinha como concorrentes nomes como Kate Winslet e Rachel McAdams, mas o papel de uma artista que vê o marido submeter-se a uma operação de mudança de sexo obteve a preferência da Academia.

“Mad Max: Estrada da Fúria” foi o filme mais premiado ao arrebatar seis Óscares em categorias técnicas: Figurino, Edição, Maquilhagem e Penteado, Design de Produção, Edição de Som e Mistura de Som.

O Melhor Filme de Língua Estrangeira foi para “O Filho de Saul” que retrata o Holocausto. A película húngara do franco-magiar László Nemes junta o Óscar ao Golden Globe e ao Grand Prix do Festival de Cannes.

O compositor Ennio Morricone, autor de bandas sonoras memoráveis de Western Spaghetti inesquecíveis, já tinha sido galardoado com um Óscar de Carreira. Mas com “Os Oito Odiados”, de Quentin Tarantino, Morricone conquistou, aos 87 anos, a estatueta da Melhor Banda Sonora Original.

A noite de Leo

euronews:

Olá Brandi, obrigada por te juntares a nós, a partir do Dolby Theatre, em Los Angeles. Finalmente, Leonardo DiCaprio ganhou o Óscar do melhor ator, que alívio!

Brandi Hitt, ABC News:

É isso mesmo. A festa vai rija por aqui e há muita gente bastante excitada porque este foi finalmente o ano de Leonardo DiCaprio. Ele foi nomeado cinco vezes para um Óscar de representação e uma vez para um prémio de produção, e tudo começou em meados dos anos 90 quanto ele foi nomeado por “What’s Eating Gilbert Grape”. Finalmente esta foi a noite do Leo. Ele teve direito a uma ovação de pé e a um longo discurso de aceitação, onde introduziu um pouco de ativismo, com uma mensagem relativa ao aquecimento global. Mas esta noite ele está entre os vencedores e tenho a sensação que vai festejar durante muito tempo.

euronews:

A cerimónia terminou com a vitória surpreendente de “O Caso Spotlight” na categoria de Melhor Filme. Conte-nos mais, Brandi!

Brandi Hitt, ABC News:

Muitos críticos acreditavam que o Melhor Filme sairia de um lote de três filmes: “O Caso Spotlight”, “A Queda de Wall Street” e “O Renascido”. No entanto, “O Renascido” era o grande favorito porque foi filmado com uma grande beleza e porque tem o Leonardo DiCaprio. O realizador levou o Óscar do Melhor Realizador, mas no final, “O Caso Spotlight” saiu por cima. “O Caso Spotlight” também ganhou o prémio Screen Actors Guild do Melhor Elenco, por isso não foi uma grande surpresa embora tivesse surpreendido alguns críticos. Um dos grandes momentos da noite foi ver o Michael Keaton, um dos atores, a correr no palco em grande excitação. Recordemos que no ano passado ele também era um dos atores do Melhor Filme: “Birdman”. Há dois anos que Michael Keaton faz parte do elenco do filme que conquista o Óscar do Melhor Filme.

euronews:

Tivemos algumas surpresas mas também vitórias esperadas, como a de Brie Larson para a Melhor Atriz em “Quarto”…

Brandi Hitt, ABC News:

É verdade, mas o seu desempenho é galáctico, deixou-me em lágrimas e provavelmente deixará em lágrimas qualquer mãe que veja este filme sobre ela e o filho fechados neste quarto até que ela decide escapar, depois de ter sido raptada. E o discurso foi muito terra-a-terra. Ela estava maravilhosa naquele vestido azul. Mas também era a favorita porque durante a época dos prémios ela colecionou vitória atrás de vitória no Screen Actors Guild, nos Golden Globes, por isso não foi uma surpresa e foi muito bem merecido.

euronews:

Igualmente esperadas foram as estatuetas técnicas ganhas por “Mad Max: Estrada da Fúria”, que esmagou o recorde australiano de três óscares de “O Piano”.

Brandi Hitt, ABC News:

Que noite para “Mad Max: Estrada da Fúria”. Estamos a falar da Melhor Maquilhagem e Penteado, Design de Produção, Edição de som, foram uns Óscares atrás dos outros durante a noite. Os australianos estão a fazer uma grande festa. Estamos a vê-los aqui, de um lado para o outro, e a irem às festas todas. Os Australianos estão a divertir-se à grande, foi uma grande noite para “Mad Max: Estrada da Fúria”.