Última hora

Última hora

Segurança nuclear belga gera instabilidade além fronteiras

Três países – Alemanha, Bélgica e Holanda – encontram-se na rota da central nuclear de Tihange, onde recentemente um reator foi, mais uma vez

Em leitura:

Segurança nuclear belga gera instabilidade além fronteiras

Tamanho do texto Aa Aa

Três países – Alemanha, Bélgica e Holanda – encontram-se na rota da central nuclear de Tihange, onde recentemente um reator foi, mais uma vez, desligado para se fazerem averiguações.

Na região, aumentam os receios da possibilidade de ocorrência de um acidente, mas entre as comunidades locais, o sentimento de inquietude de uns parece longe de contagiar todos, pelo menos para já.

Depois de uma bateria de exames, a Agência Federal belga de Controlo Nuclear (AFCN) deu, no outono, “luz verde” ao arranque do reator 2 de Tihange, que apresentava milhares de fissuras.

“Por nós, a central nuclear pode funcionar. É seguro. Consideramos que o nível de segurança é bastante suficiente para continuar a operar”, explicou, em entrevista à Euronews, Sebastien Berg, da AFCN.

Na vizinha Alemanha, multiplicam-se as vozes que denunciam ser difícil, para não dizer impossível, acreditar que não existem riscos significativos.

“Quando se der o caso de um grande incidente técnico não existe proteção real em termos de controlo da situação. A região sofrerá grandes danos. Por isso existe um movimento tão grande que luta pelo encerramento de Tihange”, explica o presidente da Câmara da cidade alemã de Aachen, Marcel Philipp.

Aos alertas do autarca de Aachen juntam-se os de organizações não-governamentais.

A petição para evitar outro desastre de Chernobyl, mas no coração da Europa, já recolheu mais de 1 milhão de assinaturas. Reclama uma nova avaliação imediata “do impacto ambiental transfronteiriço.”