Última hora

Última hora

Bangladesh: Supremo Tribunal confirma pena de morte para líder islamita

Ao indeferir o recurso, o Supremo Tribunal deu luz verde à execução da pena de morte, o que deverá acontecer no prazo de dois meses.

Em leitura:

Bangladesh: Supremo Tribunal confirma pena de morte para líder islamita

Tamanho do texto Aa Aa

No Bangladesh, o Supremo Tribunal confirmou a pena de morte para um magnata e líder islamita condenado, em 2014, por crimes de guerra.

Point of view

Mir Quasem Ali foi considerado culpado de torturar e massacrar guerrilheiros durante a guerra de independência do Bangladesh, em 1971, quando liderou uma milícia pró-paquistanesa, a Al-Badr, que estava contra a secessão.

Mir Quasem Ali, tesoureiro do partido Jamaat-e-Islami (JI), a principal força política islâmica do país, foi considerado culpado de torturar e massacrar guerrilheiros durante a guerra de independência do Bangladesh, em 1971, quando liderou uma milícia pró-paquistanesa, a Al-Badr, que estava contra a secessão.

Ao indeferir o recurso, o Supremo Tribunal deu luz verde à execução da pena de morte, o que deverá acontecer no prazo de dois meses.

O partido Jamaat-e-Islami convocou para esta quarta-feira manifestações de protesto contra a decisão do Supremo:

Desde dezembro de 2013, quatro líderes da oposição no Bangladesh, incluindo três responsáveis do partido islâmico foram executados.

Mir Quasem Ali ainda pode pedir um perdão presidencial para se salvar da forca, mas os últimos dois condenados que o solicitaram viram o perdão ser recusado.

A Ganajagaran Mancha, uma plataforma que faz campanha pelo julgamento dos crimes de guerra já saudou a confirmação da pena de morte: