Última hora

Última hora

Presidente macedónio Gjorge Ivanov à Euronews:Fronteiras abertas a quem apresente documentos válidos

O Presidente macedónio, Gjorge Ivanov, disse esta quinta-feira à Euronews que as fronteiras do seu país continuam abertas a quem se apresente com documentos legais.

Em leitura:

Presidente macedónio Gjorge Ivanov à Euronews:Fronteiras abertas a quem apresente documentos válidos

Tamanho do texto Aa Aa

A Antiga República Jugoslava da Macedónia fechou esta quarta-feira as fronteiras nacionais aos migrantes, numa decisão que constitui mais um passo no bloqueio da chamada rota dos balcãs, depois de países vizinhos terem tomado a mesma decisão.

Point of view

"A Macedónia é um tradicional ponto de acolhimento de refugiados. Aconteceu durante a guerra da Bósnia, depois durante a guerra do Kosovo, quando acolhemos 360 mil refugiados no nosso país"

Em entrevista à Euronews, o Presidente macedónio Gjorge Ivanov disse, no entanto, que as fronteiras permanecem abertas:

“As nossas fronteiras não estão fechadas. Apenas não permitimos a entrada ilegal de migrantes que costumavam passar pelo nosso território. Todos os que queiram ser registados e que tragam documentos válidos, podem fazê-lo.”

O Presidente macedónio disse também que as instituições do país gastaram, até ao momento, mais de 25 milhões de euros para lidar com a chamada crise dos migrantes. Um fenómeno, que, por outro lado, não seria algo novo para os cidadãos macedónios, acostumados aos movimentos de refugiados dos países balcânicos, depois de anos de conflitos regionais:

“A Macedónia é um tradicional ponto de acolhimento de refugiados. Aconteceu durante a guerra da Bósnia, depois durante a guerra do Kosovo, altura em que acolhemos 360 mil refugiados no nosso país, pelo que não é a primeira vez que damos provas da nossa hospitalidade.”

Ivanov referiu-se também ao pacto alcançado entre a União Europeia e a Turquia em Bruxelas na segunda-feira e que permitirá que Ancara receba migrantes já chegados a território europeu, em particular à Grécia, sempre que tal se justifique:

“Ainda é cedo para chegar a conclusões. Temos de conhecer as soluções finais, o que poderá acontecer numa semana.
É muito importante que sejam encontradas soluções porque este é apenas o início da crise e viveremos com este problema e com esta crise durante toda a vida.”

No entanto, em declarações ao diário alemão Bild, Ivanov assegurou que a Antiga República Jugoslava da Macedónia tem vindo a sofrer com os erros cometidos pela União Europeia e que o país tinha gasto dinheiro sem receber ajudas da parte de Bruxelas.