Última hora

Última hora

ExoMars partiu em busca de vida em Marte

A Europa estreia-se na exploração do planeta vermelho. A segunda missão do programa deve ir para o Espaço em maio de 2018.

Em leitura:

ExoMars partiu em busca de vida em Marte

Tamanho do texto Aa Aa

Haverá vida em Marte? A pergunta tem quase tanto tempo quanto o que a Humanidade leva a olhar para as estrelas e foi até tema de uma mítica canção de David Bowie. A resposta pode chegar em breve do planeta vermelho para onde partiu, esta segunda-feira, a primeira das duas missões ExoMars.

Point of view

O satélite e o módulo, que vai aterrar em Marte, contam com tecnologia portuguesa.

A bordo de um foguetão russo Proton-M, foram lançados um satélite e um módulo, que irá aterrar em Marte. Ambos contam com tecnologia portuguesa. Objetivo: encontrar sinais de vida, presente ou passada, no planeta vermelho.

A Critical Software e a Active Space Technologies, de Coimbra, e a HPS Poertugal são empresas portuguesas que contribuíram com tecnologia para o projeto da Agência Espacial Europeia (ESA) em parceria com a russa Roscosmos.

O foguetão já deixou a órbita da Terra e tem agora cerca de 175 milhões de quilómetros pela frente até chegar a Marte.

A Europa estreia-se assim na exploração de Marte e a segunda missão do programa deve ir para o Espaço em maio de 2018.

“Sente-se um entusiasmo incrível entre os cientistas depois de um lançamento bem-sucedido. Para muitos, é a primeira vez que constroem um módulo e o enviam para Marte. Há muitos obstáculos pela frente: os instrumentos têm que provar que funcionam, agora que estão no Espaço e há uma viagem de sete meses pela frente antes da ciência poder começar a recolher dados e procurar sinais de vida”, refere o enviado da euronews ao cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, Jeremy Wilks.

A ESA disponibiliza um guia detalhado sobre cada passo da missão ExoMars:

Devemos enviar humanos até Marte?, uma questão que nos teremos de colocar em breve e para a qual a euronews procurou respostas.

Uma opinião sobre o que podemos esperar desta missão: