Última hora

Última hora

Brasil: Delação de senador pode atrapalhar regresso de Lula ao governo

Em leitura:

Brasil: Delação de senador pode atrapalhar regresso de Lula ao governo

Tamanho do texto Aa Aa

A gravação efetuada por um assessor de Delcídio do Amaral, senador do Mato Grosso do Sul (foto em cima), com o ministro da Educação do Brasil, Aloizio Mercadante, na qual oferece ajuda financeira ao governante estadual em troca do silêncio para bloquear a investigação anticorrupção conhecida como “Lava Jato” pode vir a tramar, ou no mínimo adiar, a entrada oficial de Lula da Silva no governo, a convite de Dilma Rousseff. O senador esteve preso 87 dias, no âmbito da “Lava Jato”, e fez uma delação (uma denúncia de delito alheio para tirar proveito próprio) à justiça em fevereiro, a qual foi divulgada esta terça-feira.

“Onde está o governo que se dizia republicano e que nada interferiria nas investigações? A gravação do Aloizio (Mercadante) confirma o que eles sempre negaram. Na minha delação fica claro que fui escalado, como líder do governo, pela Dilma e pelo Lula para bloquear a ‘Lava-Jato’”, afirmou, já esta terça-feira, Delcídio do Amaral, ao jornal O Globo.


O senador de Mato Grosso, suspenso do Partido dos Trabalhadores desde o início de dezembro, disse ainda que “o (ministro da Secretaria de Comunicação Social) Edinho (Silva) não sairá vivo deste processo”. “Ele arrecadava recursos com ameaças no linha do 0ou está connosco ou está contra’”, acusou Delcídio do Amaral.

A delação do senador foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e o documento conta com 21 pontos em que são citados políticos e crimes praticados no âmbito do Palácio do Planalto, gabinete oficial da Presidência, o Senado, a Câmara, o Ministério de Minas e Energia, e a Petrobrás, a companheia energética brasileira, que estará no centro da “Lava Jato”. A colaboração de Delcídio do Amaral poderá atenuar-lhe a eventual pena.


O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, defendeu esta terça-feira a renúncia de Aloizio Mercadante até que sejam esclarecdias as suspeitas levantadas contra o ministro da Educação na delação do senador de Mato Grosso do Sul. “O que foi tornado público estarrece. É um momento triste para todos nós e gera uma deceção incrível. Estamos nós e o povo brasileiro, surpressos e perplexos. ao ponto que chegámos e parece que não é ainda o ponto final”, afirmou Marco Aurélio Mello, citado pelo Globo. O ministro do STF lembra, contudo, que a delação, por enquanto, é apenas a versão de um dos investigados e tem um valor relativo.

O gabinete Presidencial terá contudo tentado proteger Lula da Silva de mais este escândalo e, por isso, de acordo com o Globo, terá adiado para quarta-feira o anúncio oficial da entrada de Lula da Silva. A conversa a ter ainda esta terça-feira, em Brasília, entre o ex-presidente e a atual chefe de Estado poderá ser decisiva para confirmar ou não o regresso de Lula ao governo.