Última hora

Última hora

França: Governo socialista recua na reforma laboral

Face a uma forte contestação nas ruas e a pouco mais de um ano de eleições presidenciais e legislativas, o governo francês acabou por recuar na reforma das leis do trabalho.

Em leitura:

França: Governo socialista recua na reforma laboral

Tamanho do texto Aa Aa

Face a uma forte contestação nas ruas e a pouco mais de um ano de eleições presidenciais e legislativas, o governo socialista acabou por recuar na reforma das leis do trabalho, em França.

Point of view

Não quero que daqui a uns anos (...) as gerações mais novas percam a proteção dos acordos coletivos de trabalho. (sindicalista)

O Conselho de Estado recebe, esta terça-feira, uma versão ‘suavizada’ da proposta de lei, que continua a contar com a oposição dos sindicatos e recebe agora mais críticas dos patrões.

Para o primeiro-ministro, o importante é que seja possível “avançar. Alguns pedem para a proposta ser retirada, ser suspensa, mas isso não é possível. A França aguarda respostas para questões fundamentais que se coloca há muito tempo”, afirmou Manuel Valls.

Os sindicatos veem alguns “avanços” na proposta, mas mantém o apelo à mobilização e a greves para o dia 31 de março.

O secretário-geral do sindicato Force Ouvrière (FO) olha “para o que aconteceu quando a contratação coletiva foi descentralizada em outros países, como a Alemanha, a Espanha ou Portugal” e não quer que “daqui a uns anos”, os mais velhos e “as gerações mais novas percam a proteção dos acordos coletivos de trabalho”, em França, explicou Jean-Claude Mailly.

O grande recuo do governo é no plafonamento das indemnizações em caso de despedimento. O máximo de 15 meses de indemnização passa a ser “indicativo” na nova proposta. A anterior levou entre 200.000 a 400.000 pessoas a manifestarem-se na semana passada, maioritariamente estudantes, que prometem continuar a mobilização:

França tem atualmente 3,5 milhões de desempregados e 90% dos novos contratos são temporários.

O patronato em França, agregado no Medef, disse estar “desiludido” com o recuo do governo.