Última hora

Em leitura:

Ser mulher paga imposto? O debate sobre IVA sobre tampões


economia

Ser mulher paga imposto? O debate sobre IVA sobre tampões

É designada “taxa tampão” e está a enfurecer mulheres em todo o mundo. Falamos do IVA aplicado aos tampões e outras proteções higiénicas femininas – algo que todas as mulheres em idade fértil são obrigadas a usar – que está a motivar protestos.

No Reino Unido, o argumento entrou mesmo na campanha para o referendo sobre a permanência ou saída do Reino Unido da União Europeia (“Brexit”).

Na passada quinta-feira (17 março), na cimeira em Bruxelas, os líderes da UE decidiram dar aos 28 Estados membros a opção de acabar com o imposto sobre os tampões e pensos higiénicos, em resposta a protestos feministas.

A decisão foi tomada na sequência de pressões do primeiro-ministro britânico, David Cameron. Este depressa gritou “vitória” face grupos feministas e eurocéticos, procurando controlar a contestação interna antes do referendo de 23 de junho.

IVA: As diferentes taxas

No Reino Unido, o IVA sobre tampões e pensos higiénicos é de 5%. Mas as diferenças são flagrantes de país para país.

Na Hungria, os tampões e penso higiénicos são considerados produtos de luxo. Em Portugal, são tidos como “bens essenciais” e beneficiam por isso de uma taxa reduzida.

Já na Grécia, devido às medidas de austeridade, o IVA sobre estes produtos passou, no ano passado, de 13 para 23%.

A contestação feminina

No Reino Unido, França ou Itália, uma petição na internet juntou 300 mil assinaturas. E o movimento contra a “taxa tampão” não baixa os braços e visa mesmo o Parlamento Europeu.

O argumento principal é o da discriminação, já que, sendo artigos usados exclusivamente por mulheres e aos quais não se pode escapar, o IVA acaba por ser… Um imposto pago por ser mulher. Pelo menos, é essa a opinião dos ativistas.

Em alguns países, o IVA sobre tampões e pensos higiénicos é superior ao IVA para preservativos, lâminas de barbear ou produtos de luxo, como o caviar.

Os políticos europeus estão cada vez atentos ao peso eleitoral de um tal assunto.

Na União Europeia, em 2015, havia 260 milhões de mulheres, ou seja, 51% da população.

Um imposto de milhões

Em Itália, entrou no parlamento uma proposta de alteração do IVA para os tampões e pensos higiénicos. A projeto-lei, apresentado pelo partido “Possibile” e vaiado por muitos dos deputados italianos, quer passar dos atuais 22% de IVA para 4%.

Em França, em dezembro, sob pressão da opinião pública, os deputados votaram a favor da redução do IVA para tais produtos. A taxa passou de 20% para apenas 5,5%.

Com uma taxa de IVA de 20%, o Estado gaulês arrecadava 55 mil milhões de euros por ano. E no Reino Unido, “o jornal “Mirror” contabilizou 15 milhões de libras anuais para as contas públicas”:http://www.mirror.co.uk/news/ampp3d/tampon-vat-how-much-money-5096033

Estima-se que cada mulher britânica gaste por ano 117 libras em produtos de higiene íntima. A ONG francesa Georgette Sand vai mais longe. Calcula que cada mulher gastará cerca de 1500 euros durante a sua vida.

O ministro britânico das Finanças, George Osborne, anunciou que o executivo doaria milhões de libras angariadas do imposto para instituições de caridade que apoiam os direitos das mulheres, incluindo as que combatem a violência doméstica.

Mas não convence os grupos de ativistas. Estas argumentam: “As mulheres vão pagar para resolver os problemas causados pelos homens”.

Saiba mais:

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte

economia

Banco da Rússia mantém juros a 11%