Última hora

Última hora

"Que governos tão incompetentes": Erdogan não poupa críticas à Europa no combate ao terrorismo

Erdogan chama "incompetentes" aos governos da Bélgica e da Holanda, que deixaram um dos autores dos atentados de Bruxelas partir em liberdade depois de ter sido deportado da Turquia.

Em leitura:

"Que governos tão incompetentes": Erdogan não poupa críticas à Europa no combate ao terrorismo

Tamanho do texto Aa Aa

O Governo belga tenta justificar as falhas que permitiram a um dos autores dos atentados de Bruxelas seguir em liberdade depois de ter sido detido e deportado da Turquia. Ancara sob o tom das acusações e chama “incompetentes” aos governos europeus envolvidos.

Point of view

Prendemos este sujeito em Gaziantep e deportámo-lo. Foi enviado de volta, mas esses senhores não fizeram o que era necessário e libertaram esse terrorista. Agora, têm de prestar contas por isso.

Numa audiência no Parlamento, o ministro do Interior, Jan Jambon, considerou “inaceitável” que “nada de essencial” tivesse sido feito entre a detenção e a deportação, assumindo que “alguém foi negligente”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Didier Reynders, disse que “no dia 14 de julho de 2015 foi colocado no portal do ministério (…) uma nota, escrita em turco, que informa a embaixada da expulsão de El Bakraoui para Amesterdão num voo às 10:40 do mesmo dia, sem mencionar os motivos da deportação”.

Na Turquia, o presidente Recep Tayyip Erdogan reforçou as críticas à forma como a Europa combate o terrorismo:

“Que governos tão incompetentes. Prendemos este sujeito em Gaziantep e deportámo-lo. Foi enviado de volta, mas esses senhores não fizeram o que era necessário e libertaram esse terrorista. Agora, têm de prestar contas por isso”.

Erdogan aproveitou para lançar mais farpas a propósito da questão curda, recordando que durante a cimeira UE-Turquia, Bruxelas deixou “terroristas separatistas montarem tendas junto ao Conselho Europeu”, criticando assim a presença de militantes pró-curdos e acusando a Europa de falhar na condenação do PKK, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão.