Última hora

Última hora

Judo: Georgianos dão cartas em casa, portugueses ficam pelo caminho

No Grande Prémio de Judo, que está a decorrer em Tbilisi, na Geórgia, os judocas locais mostram superioridade no seu próprio terreno. Lasha

Em leitura:

Judo: Georgianos dão cartas em casa, portugueses ficam pelo caminho

Tamanho do texto Aa Aa

No Grande Prémio de Judo, que está a decorrer em Tbilisi, na Geórgia, os judocas locais mostram superioridade no seu próprio terreno.

Lasha Shavdatuashvili, de 24 anos, da Geórgia, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres de 2012 na categoria até -66 kg, impôs-se ao brasileiro Marcelo Contini na categoria de -73 kg e conseguiu o bronze. Marcelo Contini que eliminou o português Nuno Saraiva, num combate renhido do qual o jovem luso saiu derrotado devido a penalização.

Outro georgiano, Phridon Gigani, de 23 anos, bateu o grego Georgios Azoidis marcando waza-ari e conquistou também o bronze. Gigani que tinha afastado o português André Alves.

Nugzar Tatalashvili, de 26 anos, a cereja no topo do bolo, conquistou o ouro num confronto com Odbayar Ganbaatar. O atleta georgiano venceu por “ippon” o mongol que conseguiu o segundo lugar no pódio.

A festa não ficou completa para os georgianos já que, nos -81 kg, Levan Gugava perdeu para o russo Alan Khubetsov na final. Também o português Diogo Lima foi afastado, neste caso por um homem da casa, Giorgi Papunashvili.

Na final feminina de -63 kg a vitória coube à austríaca Kathrin Unterwurzacher. A jovem de 23 anos venceu, por “ippon”, a britânica Gemma Howell.

A portuguesa Ana Cachola ainda triunfou em dois combates desta categoria mas acabou afastada pela judoca do Reino Unido Alice Schlesinger, por ippon.

Na prova de -70 kg a vitória foi para a holandesa Kim Polling que depois de vencer três dos quatro combates por “ippon” bateu, na final, a francesa de origem marroquina Fanny Estelle Posvite.

“A surpresa do dia não foi a eliminação de um dos favoritos, mas a inesperada resistência de um desconhecido frente a um campeão olímpico que lutava em casa com uma multidão a apoiá-lo. Quanto à imagem do dia deixamo-lo com o “ippon” do georgiano Tatalashvili contra o brasileiro Contini. Um “ippon” que prova que enquanto o cronómetro conta é sempre possível ganhar”, explica o enviado da euronews a Tbilisi, Pedro Lasuén.

Uma nota especial para o judoca norte-coreano Kim Chol Gwang que se bateu com garra frente ao campeão olímpico Shavdatuashvili.

Mas a imagem que marca o dia é a da vitória de Tatalashvili face ao brasileiro Contini. A perder na ronda preliminar ele conseguiu dar a volta com um magnífico “ippon” quando tinha pouco mais de minuto.