Última hora

Última hora

Basílica de Santa Maria Antiga reabre após 1000 anos soterrada em Roma

Em leitura:

Basílica de Santa Maria Antiga reabre após 1000 anos soterrada em Roma

Tamanho do texto Aa Aa

A exposição especial patente ao público para marcar a reabertura deste tesouro da história do Cristianismo pode ser visitada até 11 de setembro.

Uma igreja italiana anterior à fundação de Portugal acaba de reabrir ao público, em Roma, após obras de restauro efetuadas ao longo de mais de 30 anos. Situada na base do Palatino, uma das sete colinas da capital italiana onde outrora viveu o imperador romano, a Basílica de Santa Maria Antiga está datada como tendo sido construída no século VI, terá sido soterrada pelo terramoto de 847 e assim manteve escondidos e conservados todos os seus tesouros dos primórdios do Cristianismo.

Redescoberta um milénio depois, por Giacomo Boni, em 1900, a basílica reabre agora com “Santa Maria Antiga em Roma e Bizâncio”, uma exposição com a curadoria partilhada de Maria Andaloro. “Esta igreja permaneceu intacta. Mantém-se pura, mesmo hoje, ainda que muito danificada pela passagem do tempo. Continua capaz de suscitar interesse, mas necessita também de um estudo interpretativo contínuo”, defende Andaloro.

Conhecida como “a capela sistina” do início da Idade Média, a basílica integra diversos tesouros. Entre eles, um quadro da Virgem Maria, transferido para outra igreja em Roma após o terramoto, mas, agora, de volta à Basílica de Santa Maria Antiga.

Para coincidir com a reabertura, foi preparada também uma instalação com recurso a tecnologia moderna, mostrando, por exemplo, o desenvolvimento da igreja ao longo do tempo. “Com recurso a projeções 3D, procurámos integrar todas as fases da igreja, tentando proporcionar ao público uma visualização em três dimensões que permite percorrer a história e perceber, com a sobreposição dos vários níveis e das pinturas, as diferentes intervenções efetuadas nas várias partes da igreja”, explica Giulia Bordi, historiadora de arte medieval e também curadora da exposição.

As paredes da basílica revelam representações de santos e mártires, da Virgem Maria e de rainhas, de papas e imperadores, numa tela original escondida por mais de 1000 anos e agora à vista do público.

A exposição “Santa Maria Antiga em Roma e Bizâncio” pode ser visitada em Roma até 11 de setembro.