Última hora

Última hora

Andrej Plenković sobre consulta popular na Holanda: "Referendo pode transmitir um sinal"

Em entrevista à Euronews, no Parlamento Europeu, em Bruxelas, o presidente da Comissão Parlamentar da Associação União Europeia-Ucrânia analisou o

Em leitura:

Andrej Plenković sobre consulta popular na Holanda: "Referendo pode transmitir um sinal"

Tamanho do texto Aa Aa

Em entrevista à Euronews, no Parlamento Europeu, em Bruxelas, o presidente da Comissão Parlamentar da Associação União Europeia-Ucrânia analisou o referendo a realizar-se na Holanda.

Andrej Plenković apelou aos eleitores para pensarem na essência da consulta popular.

Natalia Richardson-Vikulina, euronews – Qual o enquadramento deste referendo? É sobre a Holanda e a Ucrânia ou existe um sentido mais lato?

Andrej Plenković, eurodeputado croata e presidente da Comissão Parlamentar da Associação União Europeia-Ucrânia – O acordo de associação consiste em trazer os padrões e os valores europeus para a Ucrânia. Não se trata de trazer a Ucrânia para a União Europeia já amanhã. É a nossa resposta às ambições de centenas de milhares de ucranianos que disseram há dois anos na Praça da Independência querer a Europa, querer um Estado livre de corrupção, baseado no Estado de Direito e com uma perspetiva europeia.

euronews – Mas estamos a falar da Ucrânia ou da Europa?

Andrej Plenković – Não entendo o referendo como relacionado ou muito voltado para a Ucrânia. Vejo o referendo mais como algo que pode transmitir um sinal, antissistémico, antieuropeu e talvez contra a corrente geral no seio da política holandesa. Deveríamos prestar apoio aos nossos amigos ucranianos que são vítimas de agressão, que viram uma parte do território nacional ser anexado e que têm outra parte do território temporariamente ocupada.

euronews – Muitas pessoas referem que o tema principal desta campanha é Putin e os seus interesses. Concorda?

Andrej Plenković – Todas as narrativas que rodeiam o debate existem para distrair os eleitores do essencial da matéria. É um referendo nacional que tem uma dimensão Europeia e consequências internacionais. Esta é a especificidade. Espero, sinceramente, que os holandeses, que representam um dos Estados-membros fundadores da União Europeia, olhem para esta matéria como deve de ser: de forma sóbria, calma e analisando a essência. A essência vai ajudar os negócios holandeses, os investidores e o comércio holandês com o mercado ucraniano que tem 45 milhões de pessoas. Julgo que deve ser entendido na perspetiva da Holanda ser um dos campeões do comércio livre e das relações entre a Holanda e a Ucrânia poderem melhorar com este acordo.