Última hora

Última hora

Panama Papers: Família do presidente do Azerbaijão construiu um império no Panamá

No poder desde 2003, na sequência da morte do pai, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev e a mulher, Merhiban Aliyeva terão erguido um verdadeiro

Em leitura:

Panama Papers: Família do presidente do Azerbaijão construiu um império no Panamá

Tamanho do texto Aa Aa

No poder desde 2003, na sequência da morte do pai, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev e a mulher, Merhiban Aliyeva terão erguido um verdadeiro império offshore, segundo as revelações do Panama Papers.

O site do International Consortium of Investigative Journalits consagra uma página à família Aliyev, com o nome dos membros ligados a uma complexa rede de empresas offshore que passam pelo Panamá.

Os documentos mostram como desde 2003, o ministro dos Assuntos Fiscais da época, Fazil Mammadov, montou um conglomerado, a AtaHolding, na qual convidou os membros da família Alyiev a investir. A AtaHolding tem interesses na banca, telecomunicações, construção cívil, minas, petróleo e gás do Azerbaijão, um país riquíssimo em recursos naturais.

Mammadov criou no Panamá, com a ajuda da firma Mossack Fonseca, dois organismos: A UF Universe Foundation, da qual Mehriban Aliyeva é uma das responsáveis e o FM Management Holding Group SA, também controlado pela esposa de Alyiev.

O FM Management Holding tem, por seu turno, uma sociedade, sediada no Reino Unido, que detém 51% da AtaHolding, cujo valor estava estimado em 2014, em 490 milhões de dólares.

De acordo com os Panama Papers, e a investigação de jornalistas do Projeto de Reportagem sobre o Crime Organizado e a Corrupção (OCCRP), em 2006, o presidente Alyiev terá atribuído a concessão da exploração de seis minas a diversas empresas, entre as quais duas offshore, que na realidade pertencem às suas filhas, Arzu e Leyla.

Juntas, as irmãs Alyiev detém 56% das ações da Globex International LLP e da Londex Resources SA, duas sociedades panamianas.

Estas duas companhias detém respetivamente, 11 e 45% das ações do consórcio das seis minas de ouro da companhia internacional de exploração dos recursos mineiros do Azerbaijão.

De acordo com os arquivos da Mossack Fonseca, a família Aliyev tem interesses em várias outras empresas offshore. Segundo os jornalistas que realizaram as investigações, nenhum membro da família quis reagir à divulgação destas informações.

A reação chegou, entretanto, através de um email enviado à Euronews, onde pode ler-se que antes de iniciar a carreira política, o atual chefe de Estado era um homem de negócios. Atividades que suspendeu depois de assumir a presidência do país, adiantando, que não tem empresas offshore e que “as acusações não têm fundamento.”