Última hora

Última hora

Austrália: Johnny Depp e mulher poupados a condenação por "turismo ilegal" dos cães

Chegou ao fim a novela jurídica em torno da viagem clandestina dos cães de Johnny Depp e Amber Heard, no ano passado, à Austrália. O ator

Em leitura:

Austrália: Johnny Depp e mulher poupados a condenação por "turismo ilegal" dos cães

Tamanho do texto Aa Aa

Chegou ao fim a novela jurídica em torno da viagem clandestina dos cães de Johnny Depp e Amber Heard, no ano passado, à Austrália. O ator norte-americano, de 52 anos, e a mulher, de 29, confessaram o crime e gravaram um vídeo com cerca de 40 segundos a admitir o erro e a promover o respeito pelas regras da biossegurança australiana.

Para além do vídeo, o casal de atores apresentou-se esta segunda-feira de manhã, pelas 08h50 (hora local), no tribunal de Southport, em Queensland, na Costa Dourada australiana. Gerou-se um ambiente de loucura em torno do tribunal face à presença da estrela de “Piratas das Caraíbas” e “Eduardo Mãos de Tesoura”. O caso foi suspenso para as 11 horas da manhã para que fossem apresentadas algumas provas e acabou por ser retomado pelas 14h30 para ser lida a sentença.


(A quarentena é importante e a agricultura australiana depende de biosegurança rígida)

Os advogados de Amber alegaram que a atriz havia cometido “um erro terrível” de nõ declarar devidamente os dois cachorros devido ao “cansaço” e ao “stresse causado pela lesão que o marido havia sofrido numa mão”. “Ela nunca teve a intenção de esconder o facto de que os cães estavam na Austrália”, garantiram.

A magistrada Bernadette Callaghan sublinhou que as acusações eram sérias, mas considerou que o vídeo registado pelo casal teria mais valor para a comunidade do que qualquer punição a aplicar. A juíza considerou Amber Heard “uma boa pessoa”, valorizou o facto de a também atriz nunca antes ter violado qualquer lei australiana e de se ter disponibilizado a colaborar com as autoridades neste caso mediático.

Como terá sido a mulher de Depp a recorrer a documentos falsos para conseguir a entrada no país de “Pistol” e “Boo”, os dois Yorkshire Terrier que animam vida do casal, a magistrada impôs apenas uma sentença simbólica de um mês de bom comportamento. Se não cumprir, Amber Heard terá de pagar uma multa de 1000 dólares australianos (cerca de 680 euros).

No vídeo registado, o casal surge de semblante sério e a elogiar a Austrália como “uma ilha maravilhosa, com um tesouro único de plantas, animais e pessoas”, que “deve ser protegido”, sublinhou Depp. O país, acrescentou Amber, “está livre de epidemias e doenças comuns no resto do mundo e é por isso que tem de ter estas fortes leis de biossegurança.”

“Os australianos são únicos não só na hospitalidade como na firmeza. Quando desrespeitamos a lei australiana, eles vão dizer-nos isso com determinação”, diz Depp no vídeo, apelando: “Declarem tudo quando entrarem na Austrália”. Amber, por seu turno, assumiu: “Lamento muito que ‘Pistol’ e ‘Boo’ não tenham sido declarados. Proteger a Austrália é importante.”

Sentença um ano após o crime

O caso passou-se em março do ano passado. Após recuperar de uma lesão num braço, Johnny Depp retomou na Austrália as filmagens do quinto episódio da saga “Piratas das Caraíbas”, “Os Mortos não Contam Histórias”. O ator fez-se então acompanhar pela mulher e os dois cães, na viagem realizada em jato privado.

“Pistol” e “Boo” foram filmados na casa onde se hospedou o casal e o Ministério da Agricultura australiano abriu um processo legal. O respetivo ministro Barnaby Joyce insurgiu-se contra a presença dos animais no país sem terem passado pela obrigatória quarentena imposta pela lei para animais domésticos transportados para a Austrália e chegou a ameaçar os dois cachorros com a eutanásia.

O ministro, entretanto, já reagiu ao desfecho do caso nesta segunda-feira. “Eu também apreciei o facto de que a senhora Heard tenha assumido de boa vontade as suas responsabilidades pelas ações do ano passado e o reconhecimento de que não cumpriu a nossa lei nacional de biossegurança. Este processo legal reforça a mensagem internacional que enviei no ano passado de que nós não toleramos o desrespeito pelas nossas leis de biossegurança, seja por quem for”, afirmou o agora vice-primeiro-ministro Barnabay Joyce.