Última hora

Última hora

Rousseff: "Dama de Ferro" até quando?

Chega à presidência do Brasil pelas mãos do antecessor e mentor político Lula da Silva. Dilma Rousseff toma posse a 01 de janeiro de 2011, mas a

Em leitura:

Rousseff: "Dama de Ferro" até quando?

Tamanho do texto Aa Aa

Chega à presidência do Brasil pelas mãos do antecessor e mentor político Lula da Silva. Dilma Rousseff toma posse a 01 de janeiro de 2011, mas a primeira mulher a assumir a chefia de Estado era até 2010 uma figura, praticamente, desconhecida já que não se tinha apresentado a qualquer cargo eletivo.

Filha de um imigrante comunista búlgaro e de uma brasileira, Dilma Vana Rousseff entra na política durante a ditadura. Foi torturada e passou três anos na prisão. A economista de formação só vai aderir ao Partido dos Trabalhadores em 2001.

Rousseff, uma reconhecida tecnocrata, com fama de antipática, acaba por se tornar uma protegida de Lula da Silva. É nomeada ministra de Minas e Energia durante o seu primeiro governo, em 2003, assumindo, depois a pasta da Casa Civil.

O metalúrgico sindicalista tido como um símbolo no país deixa a presidência e aponta a “Dama de Ferro” brasileira para a sucessão. Mas a economia vai ressentir-se com a chegada ao poder de Dilma. O crescimento registado durante os anos em Lula que foi Presidente dá lugar ao declínio económico e o descontentamento chega às ruas em junho de 2013. Milhões de brasileiros protestam contra o aumento das tarifas nos transportes públicos, a corrupção e a violência policial.

Graças ao apoio de Lula da Silva, Rousseff é reeleita em 2014, mas o Brasil já tinha entrado em ebulição e a oposição ganhava terreno.

O escândalo Petrobras atinge diferentes partidos políticos e fragilizar ainda mais a chefe de Estado. As divisões no seio da sociedade acentuam-se e muitos brasileiros pedem a saída de Dilma Rousseff que acusa a oposição de querer instaurar um golpe de Estado. Uma mensagem dirigida, entre outros, ao vice-presidente do Brasil. Michel Temer, líder do PMDB, Partido do Movimento Democrático do Brasil que, segundo fontes próximas, se prepara para ficar com o lugar de Dilma