Última hora

Última hora

Síria: o cessar-fogo que se traduz em mortos

Dois dias de pesado bombardeamento aéreo na Síria, sexta e sábado, em zonas de oposição ao regime de Bashar al-Assad. Um vídeo amador mostra o

Em leitura:

Síria: o cessar-fogo que se traduz em mortos

Tamanho do texto Aa Aa

Dois dias de pesado bombardeamento aéreo na Síria, sexta e sábado, em zonas de oposição ao regime de Bashar al-Assad.

Um vídeo amador mostra o resultado dos bombardeamentos em Douma, perto de Damasco, com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos a cifrar em 23 as vítimas mortais, crianças incluídas.

A norte, a província de Alepo teve vários pontos atingidos. Moscovo afirma não ter participado em qualquer operação militar aérea durante os últimos dias.

As acusações mútuas quanto à violação do cessar-fogo começado a 27 de fevereiro continuam entre oposição e governo sírio.

Um local de Anadan, na província de Alepo, afirma: “Dizem que o regime e os russos têm alvos precisos, definidos. Aqui não há agressores. Há apenas civis, aqui. Estão a matar civis. São lojas, claramente. Estes são claramente os alvos, a 100 por cento. Aqui não há Frente al-Nusra, apenas atingem civis. É isto. O objectivo é matar pessoas de qualquer modo e forma.”

O principal grupo de oposição sírio suspendeu a participação nas conversações de paz de Genebra, em protesto contra a ineficácia destas manutenção do cessar-fogo.

As negociações de Genebra visam acabar com a guerra na Síria, que rebentou em 2011, contabiliza cerca de 250 mil mortos, provocou a pior crise de refugiados mundial e permitiu o levantamento do auto-proclamado Estado Islâmico, o que conduziu ao envolvimento de potências regionais e internacionais.

O envolvimento da Rússia no conflito começou em 2015, com posicionamento a favor do regime do Presidente sírio Bashar al-Assad.