Última hora

Última hora

Liga Portuguesa, J32: Sporting vence no Dragão e mantém Benfica sob pressão

Um bis de Slimani revelou-se determinante para um histórico triunfo o FC Porto, que mantém o sonho do título ainda vivo em Alvalade. As "águias" suaram para derrubar o Guimarães, mas seguem isoladas na frente, a duas jornadas do fim.

Em leitura:

Liga Portuguesa, J32: Sporting vence no Dragão e mantém Benfica sob pressão

Tamanho do texto Aa Aa

Um bis de Slimani revelou-se determinante para um histórico triunfo o FC Porto, que mantém o sonho do título ainda vivo em Alvalade. As “águias” suaram para derrubar o Guimarães, mas seguem isoladas na frente, a duas jornadas do fim.

O Sporting apresentou no Estádio do Dragão proibido de falhar, se queria manter vivo o sonho de ainda chegar ao título de campeão depois da vitória na véspera do líder, o Benfica. Ainda assim, Jorge Jesus não surpreendeu e apostou no esquema habitual sem extremos. Diante de um grande, voltou a dar-se bem.


O FC Porto tem o destino traçado há muito (terceiro lugar) e está a cumprir um género de período de preparação para a final da Taça de Portugal, jogo que pode valer uma época de menor amargura em caso de vitória no Jamor diante do Sporting de Braga (22 de maio). José Peseiro apostou num meio-campo preenchido, apenas com Aboubakar na frente.

Os “leões” entraram melhor, com João Mário a desperdiçar uma oportunidade soberana logo aos 5 minutos. O FC Porto respondeu com um desperdício também flagrante de Herrera, na cara de Patrício, com a bola a embater no poste. Antevia-se um bom jogo de futebol.


Aos 22 minutos, o primeiro golo. João Mário desenvencilha-se muito bem de José Angel na direita e cruza para a boca da baliza, onde surge Slimani a empurrar para o fundo da baliza do desamparado Iker Casillas. Pouco depois, lance semelhante, com Schelotto desta vez a cruzar, Slimani a rematar na mesma posição, mas desta vez o guarda-redes espanhol foi melhor que o argelino.


Logo depois, o caso do jogo. Brahimi caiu na área do Sporting sem que Coates lhe tivesse tocado. O árbitro ainda hesitou, mas decidiu-se pela grande penalidade. Herrera enganou Patrício e empatou o jogo.

O Sporting estava mais ofensivo, mas foi o FC Porto a ficar perto da reviravolta. Brahimi lançou Herrera pela meia-direita, mas o mexicano disparou ao lado. Os “leões”, por seu lado, não perdoaram. Ainda antes do intervalo, Ruiz cruzou da esquerda e Slimani voou entre os centrais, assinando de cabeça o 26.° golo no campeonato.


Para a segunda parte não houve mexidas de parte a parte. Mas foi o FC Porto quem entrou a criar perigo. Valeu Patrício ao Sporting, diante de Corona. Aos 50 minutos, de livre direto, Sérgio Oliveira ficou também à beira do empate, acertando na barra “leonina.”

O Sporting tentou assentar o jogo, controlar o adversário e defender a vantagem no marcador. Peseiro chamou André André ao jogo e refrescou o meio-campo. No ataque, o “dragão” continuava discreto e Varela substituiu Corona e viu de perto uma grande defesa de Casillas a cabeceamento de Slimani.


Patrício voltou a ver-se no jogo, num livre de Herrera. Aos 81 minutos, Jesus tirou o “invisível” Teo Gutierrez, apostou em Bruno César e o brasileiro foi feliz. Lançado por João Mário, o ex-Estoril beneficiou de um momento infeliz de Casillas e fez o 1-3 – 39 golos sofridos pelo espanhol em outros tantos jogos pelo FC Porto.

Peseiro tirou um central, o inexperiente Chidozie, e apostou num avançado promissor, André Silva. Sem êxito. O resultado estava feito. O Sporting mantém-se a 2 pontos do Benfica, com vantagem no confronto direto e duas jornadas por cumprir.



Ficha de jogo

Estádio do Dragão, Porto (41.316 espetadores)
Árbitro: Artur Soares Dias (Porto).

FC Porto: Casillas; Maxi Pereira, Chidozie (André Silva, 85’), Martins Indi e José angel; Danilo; Corona (Varela, 68’), Herrera, Sérgio Oliveira (André André, 62’) e Brahimi (A); Aboubakar.
Treinador: José Peseiro.

Sporting: Rui Patrício; Schelotto (A), Coates (A), Rúben Semedo e Zeegelaar; William Carvalho; João Mário (Paulo Oliveira, 93’), Adrien (A) e Bryan Ruiz (Gelson Martins, 90’); Teo Gutierrez (Bruno César, 81’) e Slimani.
Treinador: Jorge Jesus.

Golos: Herrera (35’ gp); Slimani (23’ e 44’) e Bruno César (85’).


Benfica treme, mas garante liderança

Os bicampeões e líderes do presente campeonato abriram sexta-feira a jornada 32, recebendo na Luz o Guimarães, equipa já com a respetiva temporada resolvida. As “águias” apenas continuam sem poder contar com o guarda-redes brasileiro Júlio César, mas Ederson tem dado bem conta do recado e pode estar a revelar-se uma ameaça à esperada renovação do compatriota. Os vimaranenses não puderam contar com João Teixeira e Vítor Andrade, por estarem emprestados pelo adversário.

Embora já sem objetivos para concretizar a não ser celebrar uma eventual vitória no campo do bicampeão, a equipa de Sérgio Conceição pareceu surgir no relvado da Luz determinada a lutar por cada disputa de bola. Logo aos 7 minutos, Pedrão vi o primeiro de 7 cartões amarelos com que os “conquistadores” voltariam ao Minho.

Só à meia hora surgiu o primeiro lance de perigo digno de registo e para o Benfica: Gaitán cruzou, Mitroglou cabeceou ao lado. Guimarães reage de pronto num remate de Henrique Dourado para boa defesa de Ederson.

Já sem Sérgio Conceição no banco (o treinador dos visitantes foi expulso), Mitroglou voltou a ficar perto do golo, num remate a rasar o poste de Miguel Silva. O intervalo chegou e parece ter dado sorte aos anfitriões. Logo no reatamento, o Benfica ganhou um livre, Gaitán colocou na área e Jardel surgiu ao primeiro poste a marcar.


Seguiu-se um momento de protagonismo do árbitro. Em menos de 10 minutos, Bruno Paixão mostrou quatro cartões amarelos, o último a André Almeida que completava uma série de 5 no campeonato e ficava em risco para a visita ao Marítimo, na próxima jornada.

Rui Vitória trocou Pizzi por Salvio, mas foi o Guimarães a cheirar o golo. Valeu André Almeida, desta feita, às “águias”. O “talismã” Raúl Jimenéz também foi chamado ao jogo. Nos visitantes, entraram Alexandre Silva e Ricardo Valente.


Após perda de bola de Renato Sanches – o “miúdo” está a perder gás –, Otávio lança Hurtado, mas Ederson volta a resolver. Aos 85 minutos, Jiménez disparou à barra e animou as bancadas. Rui Vitória trocou Renato por Samaris para estancar a eventual pressão final dos minhotos e conseguiu-o.

No último minuto dos 5 de descontos, André Almeida viu o segundo amarelo, foi expulso e em vez de completar uma série de 5 cartões que o impediria de jogar na Madeira, vai cumprir castigo já segunda-feira, nas meias finais da Taça da Liga, diante do Sporting de Braga.


Os 3 pontos ficaram na Luz e o Benfica garantiu a liderança independentemente de quaisquer outros resultados alheios. Mas o Sporting respondeu bem e a luta pelo título mantém-se acesa.


Ficha de jogo

Estádio da Luz, Lisboa (60.351 espetadores).
Árbitro: Bruno Paixão (Setúbal).

Benfica: Ederson; André Almeida (AAV, 95’), Lindelof, Jardel e Eliseu (A); Fejsa; Pizzi (Salvio, 61’), Renato Sanches (Samaris, 84’) e Gaitán; Mitroglou (Jimenéz, 68’) e Jonas.
Treinador: Rui Vitória.

V. Guimarães: Miguel Silva; João Afonso, Josué Sá (A) e Pedrão (A); Licá (A, João Vigário, 86’, A), Cafú (Xande Silva, 71’, A), Otávio (A), Phete e Dalbertt Henrique; Henrique Dourado (Ricardo Valente, 71’) e Paolo Hurtado (A).
Treinador: Sérgio Conceição.

Golo: Jardel (47’).


Lutas a 4 pela Europa e pela manutenção


A vitória do Paços de Ferreira, este sábado, no Restelo é outro dos destaques da jornada. Os “castores” reforçam a candidatura a um lugar europeu com a subida à 6.a e última posição de acesso à próxima edição da Liga Europa – o facto de a final da Taça de Portugal, que vale um lugar na prova, ser disputada por FC Porto e Braga abre mais uma vaga.


Melhores marcadores


31 golos: Jonas (Brasil, Benfica);
26 golos: Slimani (Argélia, Sporting);
18 golos: Mitroglou (Grécia, Benfica);
16 golos: Léo Bonatini (Brasil, Estoril);
15 golos: Rafael Martins (Brasil, Moreirense).

Os golos de Barnes Osei, na primeira parte, e de Pelé, na segunda, permitiram ao Paços ultrapassar o Rio Ave na tabela. Os vila-condenses também jogavam fora, no campo do “lanterna vermelha”, mas não foram além de um empate a um golo e caíram para o 7.° lugar. O Tondela ainda mantém vivo o sonho da permanência.

Na sexta-feira, o Braga recebeu a visita do ainda não seguro Vitória de Setúbal. Num jogo muito disputado, com duas expulsões por acumulação nos minhotos sobre o final do encontro (Vukcevic e Ricardo Ferreira falham meias-finais da Taça da Liga contra o Benfica, segunda-feira, na Luz) os arsenalistas venceram os sadinos por 3-2 e têm quase garantido o quarto lugar no campeonato.

O Estoril recebeu este domingo o Marítimo. Com os “canarinhos” ainda a sonhar com um lugar europeu e os insulares já com a permanência assegurada, marcaram primeiro os visitantes, por Damien Plessis, aos 5 minutos.

O Estoril conseguiu a reviravolta na segunda parte. Bonatini empatou de penálti, aos 54, e Mendy, numa jogada de insistência, aos 57, garantiu os 3 pontos que deixam os “canarinhos” a 2 pontos do último lugar de acesso à Liga Europa.

O Moreirense recebeu o Boavista. A partilha de pontos ficou selada ainda antes do intervalo. Henrique abriu o marcador para os forasteiros, aos 20 minutos. Iuri Medeiros empatou, aos 28.

O Arouca recebeu o Nacional e venceu, por 3-0, ficando a apenas dois pontos de garantir uma inédita presença na Liga Europa de futebol. O paraguaio Walter Gonzalez, com um bis, e o angolano Mateus foram os autores dos golos da equipa de Lito Vifigal. Os insulares sofreram a terceira derrota consecutiva.

No jogo que encerrou a jornada, o União da Madeira venceu a Académica, por 3-1, e empurrou os “estudantes” para a cauda da tabela, com os mesmos pontos do Tondela. Só uma ponta final perfeita e um “desastre” dos concorrentes diretos Vitória de Setúbal e União da Madeira nas duas derradeiras rondas do campeonato poderão reverter a sentença da despromoção dos dois atuais últimos classificados, sendo certo que pelo menos um desce. Ao tondela, resta a deslocação a Paços de Ferreira, onde os “castores” ainda lutam por um lugar europeu, e a receção decisiva à Académica, na última ronda. Pelo meio, os “estudantes” recebem o Sporting de Braga.

Jornada 32:

Benfica – V. Guimarães, 1-0
SC Braga – V. Setúbal, 3-2
Tondela – Rio Ave, 1-1
Belenenses – P. Ferreira, 0-2
FC Porto – Sporting, 1-3
Moreirense – Boavista, 1-1
Estoril – Marítimo, 2-1
Arouca – Nacional, 3-0
Un. Madeira – Académica, 3-1

Jornada 33:

P. Ferreira – Tondela (6/maio, 20h30)
Rio Ave – FC Porto (7/maio, 16h15)
Académica – SC Braga (18h30)
Sporting – V. Setúbal (20h45)
Nacional – Belenenses (8/maio, 16h00)
Boavista – Un. Madeira (16h00)
V. Guimarães – Moreirense (18h15)
Marítimo – Benfica (20h30)
Estoril – Arouca (9/maio, 20h00)