Última hora

Última hora

Os refugiados e as moedas de troca entre UE e Turquia

Foi uma sorridente Angela Merkel que, no passado dia 23 de abril, chegou ao centro de acolhimento de refugiados em Nizip, no sul da Turquia, junto à

Em leitura:

Os refugiados e as moedas de troca entre UE e Turquia

Tamanho do texto Aa Aa

Foi uma sorridente Angela Merkel que, no passado dia 23 de abril, chegou ao centro de acolhimento de refugiados em Nizip, no sul da Turquia, junto à fronteira síria, para acompanhar a aplicação do controverso acordo de reenvio de migrantes. A chanceler fez-se acompanhar do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk. Ambos foram recebidos pelo primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu.

Bruxelas pretende pagar um total de 6 mil milhões de euros para que Ancara receba de volta todos aqueles que tentem entrar clandestinamente na Europa. É apenas uma das medidas tomadas com caráter de urgência para fazer face ao fluxo migratório. Mas é a mais contestada. Nas palavras de Donald Tusk, o que foi acordado foi que “a partir do dia 20 de março, os migrantes ilegais que cheguem às ilhas gregas vindos da Turquia serão devolvidos à Turquia. A implementação do acordo será faseada e assentará no princípio um por um.”

Mal se tomou a decisão, começaram prontamente a ser intercetados migrantes que se preparavam para iniciar a travessia do Mar Egeu. Num só dia, foram detidas cerca de 300 pessoas na área de Dikili, na Turquia.

As primeiras deportações foram efetuadas no dia 4 de abril, de Lesbos para Dikili. O acordo, que inclui sírios, abrange aqueles que alcancem seis das ilhas gregas, as portas de entrada privilegiadas.

No mesmo dia, um grupo de dezasseis sírios é enviado para a Alemanha nos termos do chamado princípio “um por um”: a União Europeia compromete-se a acolher um refugiado sírio por cada deportado para a Turquia. Foram estabelecidos 72 mil lugares neste regime.

O último ponto do compromisso estipula a isenção de vistos para os cidadãos turcos no espaço Schengen, o que Ancara pretende que aconteça já em junho. Mas antes a Comissão Europeia quer ver respeitados 72 critérios, alguns dos quais relativos ao respeito dos direitos humanos naquele país. O veredito está marcado para 4 de maio.