Última hora

Última hora

Um final feliz para 33 leões resgatados de circos na América Latina

Um grupo de 33 leões, resgatados de circos no Peru e na Colômbia, chegou ao Santuário Emoya Big Cat, na África do Sul, no dia 1 de Maio. Uma nova

Em leitura:

Um final feliz para 33 leões resgatados de circos na América Latina

Tamanho do texto Aa Aa

Um grupo de 33 leões, resgatados de circos no Peru e na Colômbia, chegou ao Santuário Emoya Big Cat, na África do Sul, no dia 1 de Maio.

Uma nova vida para estes animais que apresentavam sinais claros de maus tratos. Agora, vivem numa reserva privada, com 5.000 hectares, na província de Limpopo. Para aqui chegarem viajaram de avião e depois em camiões, durante várias horas, desde Joanesburgo até ao norte do país.

Para um funcionário da Animal Defenders International, ADI, uma organização não-governamental com uma ramificação na Colômbia, Yani Mateus, este foi um grande momento porque estes leões “sofreram muito no passado”.

Segundo esta ONG 24 leões foram retirados a circos no Peru. Fazem parte de um grupo de mais de 100 animais resgatados com a ajuda de funcionários peruanos e com o objetivo de lutar contra o tráfico ilegal de animais selvagens.

Diz quem assistiu ao momento em que estes leões foram “libertados” que foi um momento de felicidade para os animais que nunca tinham pisado a terra:

“Quando os vemos esfregaram-se contra as árvores, pela primeira vez, é realmente mágico. Tudo o que temos tentado fazer com este projecto é dar a estes leões a vida que lhes foi roubada durante anos nestes circos, itinerantes, cruéis”, explicou o vice-presidente da ADI, Tim Phillips.

Os leões não estão ainda livres na selva Africana até porque não sobreviveriam. A muitos deles foram retirados os dentes, por exemplo. Um deles é quase cego e a um outro falta um olho.

“Estes leões estão agora em fase de clausura (…) na qual vão permanecer durante seis meses a um ano. Este é o seu tempo de adaptação que é a fase crucial, eles vêm de um continente, completamente, diferente. Precisam ser monitorizados de perto. Depois vão ser libertados para a fase dois, que é, obviamente, muito alargada e que durará o resto das suas vidas “, adianta a fundadora deste santuário, que existe desde 2012, Savanah Heuser.

Ursos, macacos e outros animais selvagens, resgatados em operações no Peru, foram transferidos para santuários no país sul-americano e um tigre foi levado para a Florida. Os nove leões da Colômbia foram entregues, voluntariamente, por um circo.

Segundo a ADI os dois países já proibiram a utilização de animais selvagens em circos.