Última hora

Em leitura:

Fortes medidas de segurança no arranque do Festival de Cannes

cinema

Fortes medidas de segurança no arranque do Festival de Cannes

In partnership with

Sob um forte dispositivo de segurança, na sequência dos atentados terroristas que afetaram a Europa, a 69ª edição do Festival de Cannes arranca esta quarta-feira, no sul de França.

Espera-se que mais de 40 mil pessoas visitem o evento, no qual haverá, como é hábito, um verdadeiro desfile de estrelas do mundo da sétima arte e não só.

“Café Society”, filme do realizador norte-americano Woody Allen, faz as honras de abertura do certame, mas sendo exibido fora da competição.

Steve Carell, Kristen Stewart e Jesse Eisenberg são alguns dos nomes que compõem o elenco de luxo.

O filme, um misto de comédia dramática com romance à mistura, propõe uma viagem à indústria de Hollywood dos anos 30.

O diretor artístico do Festival de Cannes, Thierry Fremaux, não esconde o entusiasmo: “Woody Allen é um nome ao qual prestamos atenção, porque vem de meados dos anos 60 e converteu-se em realizador. Costumava enviar os filmes para Cannes, mas sem comparecer. Penso que é um dos melhores autores, nos dois sentidos, como realizador e como argumentista. Estamos muito contentes por tê-lo em palco na noite de abertura.”

São 21 os filmes que concorrem este ano à Palma de Ouro, prémio de maior prestígio no festival que será atribuído a 22 de maio, no último dia do evento.

O cineasta espanhol Pedro Almodóvar apresenta o filme “Julieta”, uma história que relata o afastamento entre uma mãe e uma filha por causa da morte do marido/pai. As atrizes Adriana Ugarte e Emma Suárez são protagonistas do enredo.

A comédia “Ma Loute”, de Bruno Dumont, é um dos quatro filmes franceses na competição. Juliette Binoche é um dos nomes de peso que trazem à tela uma história de desaparecimentos misteriosos na Baía de Slack, no norte de França. A ação decorre no verão de 1910 e além de uma história de amor mistura uma dose de ingredientes policiais.

Num outro registo, o sul-coreano Park Chan-Wook traz a Cannes, onde já foi distinguido por duas vezes, “The Handmaiden.”

Inspirado no romance “The Fingersmith”, da britânica Sarah Walters, a ação desenrola-se nos anos 30, durante a ocupação japonesa. Uma película que tem tanto de policial como de romântica.

“Vimos 1800 filmes. Entre esses filmes escolhemos uma seleção de 50 a 60 películas e desse grupo selecionámos 21 para a competição. Daquilo que vimos, considero termos os melhores filmes. Continuo a lamentar pelas películas que não podemos incluir porque vimos muitos filmes maravilhosos. A sétima arte atravessa um momento de muito boa forma”, sublinha Thierry Fremaux, sobre a seleção deste ano.

De fora da competição, “Money Monster”, filme realizado por Jodie Foster, junta George Clooney e Julia Roberts no ecrã. É uma das películas mais aguardadas. Marca o regresso da veterana do cinema norte-americano a Cannes, como realizadora. Para Julia Roberts será uma estreia.

O 69º Festival Internacional de Cinema terá lugar de 11 a 22 maio. O júri será presidido pelo realizador australiano George Miller, responsável pela saga “Mad Max.” Kirsten Dunst e Donald Sutherland, entre outros, integram o painel de jurados.

Artigo seguinte