This content is not available in your region

Austrália adia aplicação do "imposto para mochileiros"

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Austrália adia aplicação do "imposto para mochileiros"

<p>A Austrália adia a aplicação do chamado “imposto para mochileiros”, os jovens trabalhadores estrangeiros com visto de turista. </p> <p>Em período pré-eleitoral, o governo recuou face aos protestos do setor agrícola e turístico. </p> <p>Os trabalhadores estrangeiros com visto de turista só pagam impostos se o salário superar os 18 200 dólares anuais, ou seja cerca, de 16 079 euros. </p> <p>A partir de 1 de julho, na véspera das eleições, o governo queria aplicar uma taxa de 32,5% a cada dólar ganho. </p> <p>A medida será adiada por seis meses e será revista pelo governo, como afirmou o primeiro-ministro Malcolm Turnbull: “Não há dúvidas de que houve problemas com o chamado imposto mochileiro e é por isso que vamos revê-lo”.</p> <p>A Austrália permite aos “mochileiros” prolongar o visto de turista por um segundo ano se trabalharem três meses em zona rurais. Os jovens trabalhadores temporários são mão-de-obra preciosa, sobretudo, para a apanha de fruta, legumes e outras atividades subqualificadas. </p> <p>A medida teria também um impacto ao nível do turismo. Os jovens turistas gastam por ano 4,3 mil milhões de dólares australianos, o equivalente a 12% do total das receitas do setor turístico do país.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="en" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/Australia?src=hash">#Australia</a> to delay levy on foreign seasonal laborers over fears that backpackers will divert to NZ, Canada: <a href="https://t.co/mwxco1dA6o">https://t.co/mwxco1dA6o</a></p>— PacificPartnersDC (@PacPartnersDC) <a href="https://twitter.com/PacPartnersDC/status/732582726704881664">17 de maio de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Com o anúncio da medida houve uma queda no número de vistos pedidos. </p> <p>O governo estimava que, nos próximos três anos, a medida poderia render 540 milhões de dólares australianos aos cofres do país.</p>