Última hora

Em leitura:

Chegou a era dos drones

Sci-tech

Chegou a era dos drones

In partnership with

Como uns olhos que observam a partir do céu, os drones estão a captar a atenção e a estimular a imaginação das pessoas.

Na recente feira para os consumidores de eletrónica, o CES Ásia, em Xangai, China, surgiram algumas das próximas grandes inovações na indústria dos drones.

Tirar fotografias ou fazer filmagens são, hoje, as aplicações mais comuns destes aparelhos mas estão a ser cada vem mais utilizados, por exemplo, na agricultura, na gestão do espaço ou na construção civil.

Nos próximos anos, a combinação da robótica, e de outras tecnologias, vai fazer com que os drones sejam cada vez mais sofisticados.

“Os próximos anos, entre um, dois, três, quatro anos, penso que veremos a junção, a combinação entre a robótica, AR (realidade aumentada), e o próprio drone. O que isso significa é que o drone vai ser capaz de fazer as coisas por você.
Quer seja o movimento, ou a entrega, ou assustar um pássaro para fora de uma quinta, ou o que seja. Veremos a aplicação dos drone nas colheitas ou, até, em utilizações militares”, afirma o presidente executivo da Mota, Michael Faro.

Os fabricantes de drones afirmam que esta tecnologia pode, por exemplo, revolucionar o setor das entregas.

Algumas plataformas de comércio em linha estão a realizar experiências na entrega das encomendas aos clientes.

Esta nova tecnologia pode ser particularmente útil em áreas rurais, mais despovoadas e de difícil acesso.

O diretor para a comunicação internacional do JD.com, Josh Gartner, conta que “estamos a tentar fazer é tentar chegar às zonas rurais, onde podem não existir boas infraestruturas, podem não haver estradas para entregar encomendas às pessoas. Assim as entregas por camião não são, provavelmente, uma ótima opção. Então, ao usar os drones podemos passar por cima dessas áreas e entregá-las diretamente nas aldeias, sendo depois distribuídas a partir daí.
As pessoas querem ser cuidadosas com as novas tecnologias, em particular, com objetos a voar por aí. Assim, em grandes cidades está praticamente banido e essa é uma das razões para olharmos para as zonas rurais “

A questão da segurança é uma das mais importantes para os governos nacionais e locais, fabricantes e operadores de drones.

(A Polónia é um dos países pioneiros na elaboração de leis para o uso comercial de veículos aéreos não tripulados).

É necessária uma maior cooperação para regular o uso de drones e para evitar erros e abusos. Recentemente verificaram-se alguns incidentes envolvendo drones, por exemplo, alguns aparelhos foram utilizados muito perto de aeroportos quase colidindo com alguns aviões.

“A segurança é o núcleo dessas discussões sobre regras e regulamentos. Sabemos que a tecnologia pode melhorar a segurança, como aconteceu com os veículos na estrada. Vai acontecer o mesmo com os drones. É agora.
Uma dessas tecnologias é a geo-esgrima – a capacidade de manter um drone a voar nas áreas onde deveria estar a voar e impedi-lo de voar onde não deveria estar a voar”, informa o vice-presidente para a Política para a Tecnologia da Associação de Tecnologia do Consumidor, Douglas K. Johnson.

A definição de regras claras de segurança não está relacionada, apenas, com a proteção de pontos sensíveis como centrais nucleares ou instalações militares ou governamentais, mas pode, também, permitir uma maior abertura do mercado dos drones.

“Quando olhamos para drones, para este mercado emergente, sabemos que precisamos de regras. Estamos a integrar esta nova tecnologia no espaço aéreo nacional.
Por essa razão, para apoiar a integração segura no espaço aéreo nacional, necessitamos de um conjunto de regras. É importante para a segurança e para a indústria pois assim consegue planear o seu crescimento, a longo prazo”, afirma Johnson.

O crescimento na indústria dos drones será mais acentuado na sua vertente comercial / civil.

A Associação de Tecnologia do Consumidor, que gere o CES em todo o mundo, afirma que as taxas de crescimento da indústria atingem os 150% de ano para ano.

Segundo a consultora PricewaterhouseCoopers, o mercado mundial de aplicações comerciais da tecnologia de drones está estimado, atualmente, em cerca de 2 mil milhões de euros e vai crescer para mais de 110 mil milhões de euros em 2020.

Artigo seguinte