This content is not available in your region

Donald Trump "falaria com Kim Jong Un" para que este abandonasse o programa nuclear

Access to the comments Comentários
De  Antonio Oliveira E Silva  com REUTERS
Donald Trump "falaria com Kim Jong Un" para que este abandonasse o programa nuclear

<p>O provável candidato republicano às eleições presidenciais dos Estados Unidos, <a href="https://www.donaldjtrump.com/">Donald Trump</a>, disse, em entrevista à <a href="http://www.reuters.com/news/us">agência Reuters</a>, que está disposto a falar com o líder da Coreia do Norte, <a href="http://global.britannica.com/biography/Kim-Jong-Eun">Kim Jong Un</a>, para que este abandone o programa nuclear.</p> <p>“Falaria com ele. Não teria qualquer problema em falar com ele”, disse Trump. Disse também que pressionaria a China, o maior aliado da Coreia do Norte, para que fosse encontrada uma solução. A missão permanente da Coreia do Norte para as Nações Unidas não fez, até ao momento, qualquer comentário sobre o assunto. </p> <p>“Faria muita pressão sobre a china porque, economicamente, temos imenso poder sobre a China”, disse Trump, numa tomada de posição que contrasta com a política do Presidente Obama, que deixou a tarefa de lidar com Kim Jong Un para diplomatas do seu país com experiência nesse tipo de temas. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="en" dir="ltr">North Korea can't survive, or even eat, without the help of China. China could solve this problem with one phone call-they love taunting us!</p>— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) <a href="https://twitter.com/realDonaldTrump/status/320161090732433409">5 de abril de 2013</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Trump foi mais cuidadoso nas suas apreciações sobre o Presidente da Federação Russa, <a href="http://en.kremlin.ru/">Vladimir Putin</a>, líder muitas vezes elogiado pelo muito provável candidato republicano. </p> <p>“O facto de que tenha falado bem de mim não será uma vantagem numa negociação. De facto, não o ajudará nada”, disse Trump. Criticou ainda as ações do líder russo na Ucrânia. </p> <p>Relativamente ao <a href="https://www.gov.uk/government/organisations/prime-ministers-office-10-downing-street">Primeiro-Ministro britânico, David Cameron</a>, Trump disse que este tinha “imensos problemas”, mas que “tinha a certeza de que iria ter uma boa relação come ele”. As declarações à agência Reuters surgem depois de ter dito ao <a href="http://www.itv.com/news/2016-05-16/donald-trump-warns-of-poor-relationship-with-cameron-over-pms-refusal-to-withdraw-divisive-stupid-and-wrong-comment/">canal privado britânico <span class="caps">ITV</span></a> que seria muito improvável manter uma boa relação com David Cameron, depois de o Primeiro-Ministro britânico ter criticado Trump pela proposta de banir temporariamente todos os muçulmanos dos Estados Unidos.</p> <h3>Críticas dos democratas</h3> <p>As declarações de Donald Trump provocaram críticas imediatas no lado democrata. Um dos conselheiros de <a href="https://www.hillaryclinton.com/about/bio/">Hillary Clinton</a>, favorita na corrida à nomeação democrata paras as Presidenciais, Jake Sullivan, mostrou alguma admiração pelas mais recentes tomadas de posição de Trump: </p> <p>“Vamos ver se consigo entender isto: Donald Trump insulta o líder dos nossos aliados mais próximos e a seguir diz que adoraria falar com Kim Jong Un?”</p> <p>Jake Sullivan disse ainda que Trump “parece ter um estranho fascínio por líderes estrangeiros machões como Putin e Kim” e acrescentou que,m no entanto, que “a forma como (Trump) encara a política externa não faz qualquer sentido para as outras pessoas”.</p>